Caixa vai aumentar teto do valor para financiamento de imóveis

Para unidades que custem mais de R$ 750 mil, limite de financiamento subirá de 70% para 80% nas residências novas, e de 60% para 70% para usadas

Por O Dia

Rio - A Caixa Econômica Federal vai elevar o teto do valor de imóveis financiáveis pelo banco, o percentual de financiamento para imóveis de valores maiores e facilitar condições para construtoras, num esforço para acelerar os desembolsos no segundo semestre. O anúncio foi feito ontem pelo vice-presidente de Habitação da Caixa, Nelson Antonio de Souza.

Uma das principais medidas do pacote, que será lançado na segunda-feira, é dobrar para R$ 3 milhões o valor máximo dos imóveis que podem ser financiados pelo banco. Para unidades de valor superior a R$ 750 mil, subirá de 70% para 80% nos imóveis novos, e de 60% para 70% no caso de usados.

Objetivo da Caixa com as medidas é dobrar para R%24 3 milhões o valor máximo dos imóveis que podem ser financiados pelo bancoDivulgação

O banco também está reabrindo e expandindo uma linha que permite a transferência de financiamento imobiliário que tenha sido contratado com outros bancos. Com isso, mutuários poderão transferir para a Caixa até 70% do empréstimo que tenha tomado com outras instituições financeiras. O limite hoje é de 50%.

Outras medidas para pessoas físicas incluem elevar o nível de aprovação das propostas pelo banco, hoje em torno de 80%, além de uma intensa campanha de divulgação. “Outras medidas para pessoas físicas incluem elevar o nível de aprovação das propostas, hoje em torno de 80%”, afirma Souza. Até junho desse ano, a Caixa, maior financiador imobiliário do país, concedeu menos de R$ 39 bilhões, de um orçamento para o ano hoje em cerca de R$ 93 bilhões.

O banco vai reabrir o Plano Empresário (PEC), mecanismo de financiamento que foi suspenso por causa do aumento da inadimplência e do grande volume de renegociações. A linha terá o prazo de amortização estendido de 6 para 12 meses, com carência de 6 meses.

Foco do banco é financiamento para a alta renda

O foco da Caixa em imóveis para famílias de renda mais alta visa a reverter a tendência de forte contração, provocada em parte pelo escasseamento de recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), principal fonte de recursos de financiamento imobiliário do país.

A caderneta de poupança, que lastreia o SBPE, teve saída líquida de R$ 42,6 bilhões no primeiro semestre, pior resultado para o período da série histórica iniciada em 1995, segundo o Banco Central. Além das medidas para famílias de classes de média e alta rendas, a Caixa está voltando a acelerar contratações no âmbito do programa de habitação popular Minha Casa Minha Vida. O ministro das Cidades, Bruno Araújo, disse que o governo pretende contratar de 300 mil a 400 mil unidades das faixas 2 e 3 do programa até dezembro.


Últimas de Economia