Gilberto Braga: Quando a crise econômica mata

Algumas características já reveladas na tragédia da Barra permitem que façamos correlação com o mundo das finanças

Por O Dia

Rio - A tragédia que aconteceu na Barra, em que um pai teria matado a mulher e os dois filhos chocou o país. Ainda que a ocorrência esteja em fase de investigação e nada foi comprovado, algumas características já reveladas permitem que façamos correlação com o mundo das finanças.

Uma das vertentes está em carta, supostamente escrita pelo pai, relatando dificuldades financeiras, que não conseguiria pagar o plano de saúde e que seria melhor acabar com tudo.

Outro caminho tem a ver com provável e profunda insatisfação pessoal do homem, que largou emprego seguro e de muitos anos em grande empresa para abrir o próprio negócio e prestar consultoria na área de formação.

Pelo lado da economia, a severa crise em que o país mergulhou nos últimos dois anos, dizimando empregos, pode consumir toda a reserva financeira da família e desestruturar a harmonia entre os membros, arrasando esperanças em dias melhores e a crença de que seria possível reverter a situação.

Muitos são forçados ou optam por se tornar empreendedoras por conta própria. Quando não aparece emprego, com salário justo, muitas vezes, esse é o caminho. Entretanto, nem todos são felizes como dono do negócio, assumindo riscos que são inerentes, principalmente por não poder conter com ganhos ou retiradas financeiras fixas e compatíveis com as necessidades.

Por tudo isso, sempre é prudente ter muito cuidado nas escolhas e caminhos profissionais. É recomendável buscar emprego em áreas com quais a pessoa se identifique, o que reduz a possibilidade de desilusão, em momentos de crises existenciais (que todos temos, em algum fase da vida). Também deve haver busca permanente pela especialização, em aprender sempre e não se acomodar, o que aumenta a empregabilidade, diminuindo o risco de desemprego.

Ninguém sabe ao certo, até o momento, as reais motivações do crime chocante do Condomínio Pedra de Itaúna, mas deve sempre haver a certeza de que não devemos desistir nunca e de não cometer loucuras. Para seguir em frente, é preciso planejar a carreira ou seu negócio pessoal, com determinação e fé. 

Gilberto Braga é professor de Finanças do Ibmec e da Fundação Dom Cabral

Últimas de Economia