Facilidade para o comércio eletrônico

Correios lançam serviço de logística integrado para pequenos e microempresários do e-commerce

Por O Dia

Rio - Um serviço lançado no mês passado pelos Correios promete facilitar muito a vida dos pequenos e microempresários. Voltado ao comércio eletrônico e com foco nas micro e pequenas empresas (MPEs), o ‘e-fulfillment’ é uma solução de logística integrada que suporta operações completas na armazenagem, atendimento de pedidos, separação, embalagem e integração com transporte e distribuição.

Furian diz que o serviço indica redução de 47% em custos logísticosMárcio Mercante / Agência O Dia

“É um serviço que vai permitir que o pequeno e o microempresário se concentrem em comprar e vender seu produto de maneira bem feita e adequada. Ele vai passar aos Correios a missão de fazer o armazenamento, a gestão do seu estoque, a preparação do seu produto, a embalagem e a entrega”, explica José Furian Filho, vice-presidente de Logística dos Correios.

Ele destaca a dificuldade que os pequenos e microempresários enfrentam, por exemplo, para estocar seus produtos à medida em que crescem: “Nossa solução é permitir que esses empresários tenham facilidade e possam operar nesse mercado de maneira mais tranquila, tendo um parceiro que tem capacidade para fazer o gerenciamento e a distribuição do seu produto, com um preço que possam colocar na composição dos seus custos de maneira tranquila”.

A expectativa é que o ‘e-fulfillment’ represente uma redução média de 47% nos custos logísticos no e-commerce. “Lançamos esse serviço e ele entra em fase de operação para sentirmos como o mercado reage em relação a essa proposta. Fizemos vários estudos e acreditamos que essa seja efetivamente uma necessidade do pequeno e microempresário. É o mínimo que ele precisa para ter tranquilidade para se concentrar nas suas operações”, afirma Furian.

A vantagem do modelo é que o empresário não precisa se preocupar com o espaço para armazenagem dos produtos e preparação dos pedidos. O serviço começa a operar atendendo às empresas do e-commerce a partir do armazém logístico dos Correios em São Paulo (unidade de Cajamar), que possui uma área de 72 mil metros quadrados.

Operação na Olímpiada

Como operador logístico, os Correios encararam um grande desafio nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio, disputados em agosto e setembro. Ao todo, 30 milhões de itens foram movimentados pela empresa, desde bolinhas de tênis de mesa até obstáculos de hipismo.

“É uma operação grande, concentrada num único ponto basicamente. Tivemos as sedes do futebol, mas a grande operação logística se deu no Rio de Janeiro. É algo interessante porque, além da quantidade de itens, que foram recebidos, estocados, transportados e distribuídos, você tem a diversidade. Talvez esse seja o grande diferencial de uma operação dos Jogos Olímpicos. Estamos falando de uma bolinha de tênis de mesa até um obstáculo para cavalo. Cada um exige um cuidado e um equipamento diferente para o manuseio. E todos precisam chegar a tempo”, analisa José Furian Filho.

A empresa também trabalhou na transição dos Jogos Olímpicos, que terminaram no dia 21 de agosto, para os Paralímpicos, que começaram em 7 de setembro. “Do ponto de vista logístico, não há diferença entre um e outro. Muda o tipo de equipamento. Mas, para o operador, a ação é a mesma”, explica.

Equipamentos da Rio-2016 são levados para armazém Divulgação / Correios

Erro zero nos Jogos do Rio

Como operador logístico dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio, os Correios seguem trabalhando mesmo após o término das competições. “Estamos fazendo agora a retirada de todos os itens dos espaços e levando para o armazém em Duque de Caxias, que hoje está mais ou menos com 90% de sua capacidade ocupada. O Comitê define a destinação de cada um desses itens. Os Correios, como operador, preparam e entregam cada um desses itens a quem de direito”, diz Furian, explicando que essa operação se estenderá até o ano que vem.

Ele afirma que a empresa trabalha com erro zero. “Nosso trabalho começou muito antes dos Jogos e termina muito depois. O bom disso é que ninguém percebeu. Isso significa que não teve erro. Quando não é percebido, é porque as coisas ocorreram de maneira adequada”, diz ele, resumindo: “É uma maratona, sim. É longa e requer muita preparação”.


Últimas de Economia