Temer adia reunião com centrais

Texto da Reforma da Previdência deve ser apresentado depois do 2º turno das eleições

Por O Dia

Rio - Reunião do governo Temer com centrais sindicais para apresentar as propostas da Reforma da Previdência, que seria hoje no Planalto, foi adiada novamente. Esta é a terceira vez que o encontro entre o presidente Michel Temer e sindicalistas é desmarcada. Com isso, o envio do texto que muda as regras de aposentadoria do INSS deve ficar só para depois do segundo turno das eleições, que ocorrerá em 30 de outubro.

Coube ao ministro Geddel Vieira Lima, da Secretaria de Governo, ligar para desmarcar a reunião. De acordo com o ministro, o presidente quer conversar com governadores a respeito do aumento da alíquota de 11% para 14% na contribuição dos servidores públicos.

Coube ao ministro Geddel Vieira Lima%2C da Secretaria de Governo%2C ligar para desmarcar a reunião de hojeValter Campanato / Agência Brasil

Aliado de Temer, o presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), disse que o Palácio do Planalto também alegou estar com todos os esforços voltados à aprovação da PEC 241, que limita o crescimento dos gastos públicos por 20 anos.

Na semana passada, o presidente Michel Temer teve reunião com a equipe técnica que prepara a proposta de emenda à Constituição que vai reformar as regras da Previdência. O Palácio do Planalto tem deixado claro que Temer só quer enviar o texto ao Congresso Nacional depois de conversas com representantes de centrais sindicais, de entidades patronais, além dos parlamentares da base aliada.

Com o cancelamento da reunião de hoje, a nova data para encontro com as centrais deve ficar para o fim do mês de outubro, quando Temer retornará de viagem à Índia e ao Japão. O adiamento do envio da proposta para depois da última etapa da eleição é defendida pela base aliada, que alega que o tema pode atrapalhar na corrida eleitoral.

O texto de Reforma da Previdência que está nas mãos do presidente prevê, entre outros pontos, implementar idade mínima de 65 anos, além de uma contribuição de pelo menos 25 anos, para ter direito à aposentadoria.

A ideia é que as mudanças atinjam tanto os trabalhadores da iniciativa privada quanto os funcionários públicos. A proposta também proíbe o acúmulo de benefícios, como pensão e aposentadoria. As novas regras valerão para quem ainda não adquiriu o direito de se aposentar. 

Audiência é remarcada

A audiência de conciliação a Defensoria Pública do Estado do Rio e a Associação dos Beneficiários da Previdência Social do Rio (Abeprev-Rio) marcada para ontem na 5ª Vara Empresarial foi adiada para 30 de janeiro de 2017.

De acordo com a Defensoria, representantes da associação faltaram à reunião convocada pela juíza Maria da Penha Mauro para tentar colocar ponto final em práticas da entidade que atormentam aposentados do INSS.

A Abeprev é acusada de cobrar judicialmente contribuições mensais e anuais em atraso por adesão aos quadros da associação sem que os segurados soubessem do que se tratava.

Em 19 de julho, a juíza concedeu liminar atendendo a pedido do Núcleo Especial de Atendimento à Pessoa Idosa da Defensoria impedindo as cobranças de dívidas que chegam a R$ 3 mil.

Últimas de Economia