Sucesso nas finanças: Como sair do vermelho?

Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria aponta que 24% das pessoas se desfazem de seus bens para quitar dívidas

Por O Dia

Rio - Em tempos de crise econômica, o controle de despesas é essencial para conseguir cumprir com todas as obrigações e manter um padrão de vida que atenda às necessidades básicas como Saúde, alimentação, habitação e Educação. Quando se tem família, então, é primordial.

A sociedade vem acompanhando a movimentação do mercado e adotando novos hábitos, com o objetivo de adequar o orçamento.Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria aponta que 24% das pessoas se desfazem de seus bens para quitar dívidas e 19% mudam de casa para diminuir despesa.

PERGUNTA E RESPOSTA

“Preciso cortar despesas porque estou entrando no negativo todo mês. Pensei em suspender o plano de saúde por uns meses, até me reorganizar, ou a crise melhorar e eu conseguir mais trabalhos, porque sou autônomo. É uma boa opção? Se acontecer alguma coisa comigo nesse meio tempo o plano cobre ou tenho que buscar o serviço público?” >Carlos José, Campinho

Antes de cortar custos, você deve elencar os valores de cada despesa e cruzar com seus rendimentos, ou seja, fazer um controle financeiro, para depois analisar o seu orçamento. Quando estouramos nosso orçamento — ficando no vermelho, como você disse — é sinal de que tivemos algum imprevisto ou perdemos o controle das contas, o que não é nada bom em tempos de crise.

Quando você fizer o levantamento com o objetivo de cortar despesas, marque as contas da seguinte forma: Prioridade — Necessário — Não prioridade. A despesa “prioridade” é aquela que não pode ter o valor ajustado nem ser excluída — tem que ocorrer de qualquer forma. O “necessário” é aquele que deve ocorrer, porém, você pode ajustar o valor dele, trocar por um similar, substituí-lo.

Já a despesa “não prioridade” deve ser retirada de seu orçamento, pois pode ser evitada. Sobre a sua pergunta: o plano de saúde, em geral, deve ser classificado como “prioridade” ou “necessária”. Não é uma boa opção ficar sem o plano de saúde. Além do mais, o plano não cobre atendimento após seu cancelamento, você ficará descoberto.

Marta Chaves é gestora nacional do curso de Ciências Contábeis da Estácio.

Últimas de Economia