Horário de verão começa amanhã

A partir da meia noite é preciso adiantar relógios em um hora. Economia será de R$ 147 milhões

Por O Dia

Rio - O horário de verão começa a vigorar a partir da 0h de amanhã, quando os relógios devem ser adiantados em uma hora. A medida será adotada nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país até 19 de fevereiro de 2017. O objetivo da hora alternativa é estimular o uso da luminosidade natural e, consequentemente, a economia de energia elétrica nos horários pico, das 18h às 21h.

Neste ano, a expectativa do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) é de economizar R$ 147,5 milhões. Nas regiões Sudeste e Centro-Oeste o racionamento deverá ser de 3,7%, enquanto o Sul deve poupar 4,8%.

Conforme a Agência Estadão Conteúdo, a estimativa atual é menor do que o total do ano passado, quando foram racionados R$ 162 milhões. Segundo a ONS, a economia foi maior porque não foi necessário usar mais energia das usinas termelétricas.

Com a mudança de horário, há quem não sinta os efeitos de adiantar o relógio em uma hora, mas muitos reclamam dos efeitos da alteração, que podem incluir sonolência, desatenção e dificuldade para dormir ou acordar mais cedo. Pequenas mexidas nos hábitos podem ajudar a enfrentar melhor os primeiros dias do período.

“Existem vários tipos de ritmos de vigília e sono e cada pessoa tem um horário para dormir e acordar. O horário de verão funcionaria como mudança de fuso horário. Costuma ser mais difícil na entrada do que na saída”, explica a neurologista Dalva Poyares, presidente da Associação Brasileira de Medicina do Sono e especialista da Associação Brasileira do Sono.

O neurologista Renan Barros Domingues, membro da Academia Brasileira de Neurologia, recomenda que a transição ocorra de forma gradual tanto no fim de semana quanto na primeira semana. Ele diz que técnicas para combater a insônia podem ser utilizadas durante a fase de adaptação.

“As pessoas devem evitar tomar café depois das 15 horas, fazer atividades físicas durante a manhã, desligar eletrônicos duas horas antes de dormir e ouvir música tranquila”, recomenda.

Últimas de Economia