Freelancer está em alta

Pesquisa aponta 38% das pequenas empresas contrata mais temporários

Por O Dia

Rio - Cinthia de Carvalho Brum é publicitária e exemplo de profissional que virou freelancer por conta própria. Uma rotina que mantém há dois anos, quando pediu demissão de um escritório de advocacia e encontrou na atividade de ‘freela’ uma forma de trabalhar na área em que se formou. “Não preciso encarar o estresse do trânsito e posso me alimentar melhor, melhorando a qualidade de vida”, conta Cinthia, que trabalha em casa. O fotógrafo Wagner Meier também entrou no time de ‘freelas’, apostando nesse modelo de trabalho. “Troquei um emprego estável em Belém e vim para o Rio. Pra entrar no mercado, caí na rua e fui fotografar. É possível, mas não é fácil sobreviver na atividade”, alerta.

Histórias que ilustram bem a realidade de milhares de brasileiros, que buscam alternativas de trabalho em meio a uma crise que deixou 12 milhões de desempregados no país. Uma pesquisa feita pela Workana, empresa com espaço digital para conectar freelancers na América Latina, mostra o crescimento nos últimos anos na contratação de profissionais temporários para desenvolver projetos específicos. O estudo aponta que 38% das pequenas empresas no Brasil já possuem mais da metade de suas equipes formada por freelancers.

Publicitária, Cinthia de Carvalho optou em ser freelancerDivulgação

Redução de custos fixos, possibilidade de contratação por demanda e desenvolvimento de equipes para projetos específicos são citadas como vantagens por parte dos empreendimentos na adoção do modelo de carreira. Já para o trabalhador, ter liberdade e autonomia para escolher como, quando e onde trabalhar, e ter mais flexibilidade quanto a horários aparecem como benefícios.

Outro dado do estudo aponta, inclusive, que metade das empresas pretendem aumentar o investimento em suas equipes de freelancers contratados. Uma tendência global, de acordo com Tomas O’ Farrell, co-fundador da Workana. “Sem dúvidas, o modelo e conceito de emprego está mudando. A tendência é crescer muito mais. Estamos só começando”, afirma o executivo.

Especialistas na área de carreiras afirmam que essa é uma saída para a recolocação no mercado de trabalho e garantia de renda no mês. Para Luciana Oliveira, coach e palestrante, o profissional precisa se manter atualizado, pois a tendência é operar com equipes cada vez mais reduzidas nas empresas. “O segredo é não encarar como um trabalho temporário, mas como uma meta profissional, que gera o que muitos profissionais sonham: autonomia, independência e crescimento ilimitado”, analisa.

Segundo a coach Cátia Araujo, é uma excelente oportunidade para os trabalhadores saírem da zona de conforto, deixando o modelo tradicional de trabalho para buscar o empreendedorismo. Alguns profissionais têm dificuldades em cobrar pelos serviços prestados e lidar com a parte burocrática da profissão. Cátia afirma que é importante estar capacitado para atender o cliente e alerta para a organização financeira. “É importante que o profissional organize as finanças, pois não haverá salário no final do mês”.

REPORTAGEM DE ANA PAULA SILVEIRA