Duas décadas da Feira do Lavradio

Maior evento ao ar livre gera 1,2 mil empregos, recebendo 30 mil pessoas nos primeiros sábados de cada mês

Por O Dia

Rio - A Lavradio, primeira rua residencial do Rio, nunca esteve tão badalada nos seus 246 anos de história. Graças à Feira do Rio Antigo, que completa duas décadas neste mês. Também conhecida como Feira do Lavradio, a iniciativa começou com 40 expositores. Hoje, é o maior e mais charmoso evento ao ar livre, com 420 expositores, gerando pelo menos 1,2 mil empregos diretos e indiretos.

Além dos feirantes, o evento lota restaurantes da Lapa, deixa estacionamentos lotados e gera empregos para músicos, controladores de tráfego, seguranças, auxiliares de limpeza e montadores de barraca. Tudo isso para atender um público de pelo menos 30 mil visitantes distribuídos em cinco quarteirões entre a Mem de Sá e a Visconde do Rio Branco a cada primeiro sábado do mês, das 10h às 19h.

Feira do Lavradio é a maior e mais charmosa área ao ar livre na cidadeArquivo O Dia

Boa parte desse público é formado por estrangeiros, atraídos pela música, antiguidades, artesanatos, cultura e gastronomia. “É público de Maracanã cheio. A feira atrai um movimento de grande evento no Rio. Isso impacta em todo o comércio da Lapa”, afirma Thiago Cesário Alvim, presidente do Polo Novo Rio Antigo, que tem cem outros comerciantes como associados.

Ele atribui o crescimento da feira à organização. “Temos uma equipe ligada à Associação do Comerciantes do Centro do Rio Antigo, que se preocupa com cada detalhe, como montagem das barracas, segurança, banheiros químicos, sonorização, limpeza e programação cultural”, explica Thiago.

A Feira do Rio Antigo tem o respaldo principalmente de tradicionais estabelecimentos comerciais que funcionam no entorno da via. “Esse projeto conseguiu resgatar a região do Lavradio do ostracismo, do abandono e da falta de lazer”, afirma Jane Soares Pimentel, dona da loja de antiguidades La Botica da Jane, que tem acervo de figurinos de época, ao falar da feira que mudou a fotografia da região nos últimos anos, colocando a feira do Lavradio entre as principais opções de lazer para cariocas e turistas nos primeiros sábados do mês.

Um exemplo de sucesso

Para a coordenadora do Centro de Referência do Artesanato Brasileiro do Sebrae-RJ, Marília Chang, a união dos comerciantes da Rua do Lavradio serve de exemplo para todo o país. “É um caso de sucesso que cito em minhas palestras Brasil afora. Eles passaram a se preocupar com o sucesso coletivo e não individual”, justifica Marília, que trabalha a metodologia ‘Unir e Vencer’ junto aos empresários locais.

A fama da Feira do Lavradio supera hoje a da famosa Feira de San Telmo, em Buenos Aires, na Argentina, que desde 1970, aos domingos, atrai uma média de 10 mil turistas. A exemplo dos visitantes da Lavradio, na San Telmo também se encontram barracas que tiram do fundo do baú um arsenal de antiguidades, quinquilharias e badulaques de encher os olhos e o coração das pessoas.

Feira na primeira rua residencial do Rio completa 20 anosRegina Lustosa / Divulgação

No dia 5 de novembro, para comemorar o Dia Nacional da Cultura, a direção da feira vai homenagear o arquiteto e urbanista Augusto Ivan e a jornalista Danuza Leão como padrinhos oficiais do evento, pela participação desde o início da feira.

“Se a feira hoje tem preços para todos os bolsos, com gastronomia de primeira servida nos estabelecimentos parceiros, foi graças a eles e outros idealizadores, como Plínio Fróes”, elogia Thiago Alvim. “Frequento a feira porque lá encontro de tudo um pouco”, resume o historiador Marinho de Albuquerque Júnior.

Curiosidade

*A Rua do Lavradio lembra grandes personalidades. Entre elas, Machado de Assis, Carmem Miranda, o ator João Caetano, Duque de Caxias e Madame Satã, representante histórico da malandragem carioca, que morou no sobrado 171 da rua.

*O jornalista João do Rio, que escreveu histórias sobre o passado da região, seus cabarés e casas de entretenimento, também é figura marcante da Lavradio, que já teve seis teatros no fim do século XIX.

*Nos antiquários, é possível comprar móveis do século passado, objetos retrô, discos de vil e fotos antigas. Tudo isso saboreando um chopinho, com boa música. Mais informações da feira no site polonovorioantigo.com.br

Últimas de Economia