Crise faz comércio segurar preço de flores e velas no feriado de Finados

Para 44% dos empresários do setor de plantas ornamentais, vendas serão menores este ano

Por O Dia

Rio - Os consumidores que pretendem comprar flores e velas para homenagear parentes e amigos mortos no Dia de Finados deverão pagar os mesmos valores do ano passado. Devido à crise econômica, muitas floriculturas e lojas de velas mantiveram os preços de 2015. Algumas chegaram a baixar os valores para evitar maiores perdas.

Apesar do feriado de amanhã ser considerado a terceira data mais importante para o setor de floricultura, este ano as estimativas não são positivas. A procura por flores no comércio especializado caiu 31,8% em relação a 2015, segundo pesquisa do Sindicato do Comércio Varejista de Flores e Plantas Ornamentais do Estado de São Paulo (Sindiflores) e da Hórtica Consultoria e Inteligência de Mercado para a Horticultura.

Ainda de acordo com a pesquisa, entre os comerciantes de flores e plantas ornamentais entrevistados, 44% acreditam que as vendas para data este ano serão menores que em 2015.

Flores mais procuradas são rosas%2C palmas%2C monsenhor e crisântemoMaíra Coelho / Agência O Dia

O gerente da Camélia Flores, Bruno Vinícius, atribui também a pouca procura a uma mudança de hábitos dos mais jovens.  “Levar flores aos túmulos é um costume antigo, conservado em grande parte pelos idosos. A geração atual não mantém essa prática”, explica o comerciante, que acredita que este ano as vendas serão inferiores se comparadas as do ano anterior.

Queda de preço

A Camélia Flores é uma das lojas que diminui o preço: a dúzia da rosa passou, por exemplo, de R$ 36 para R$24. O mesmo aconteceu com a palma, uma das flores mais procuradas neste período que custa R$ 24. O crisântemo sai R$ 8, o maço.
Na Floricultura Botafogo Mercado de Flores, os preços se mantiveram. Lá o maço de Monsenhor custa R$ 12. Enquanto a dúzia da rosa sai por R$ 25.

Últimas de Economia