Gilberto Braga: Perspectivas e previsões para 2017

A nossa economia deve fazer a curva de inflexão, mudando o sentido descendente para crescimento gradual

Por O Dia

Rio - Certa vez estive com o ex-presidente do Banco Central Carlos Geraldo Langoni palestrando em evento e ele disse que ser economista era bela profissão, porque você era pago para dar palpites e depois, se errasse, pago novamente para explicar porque não acertou. Por isso, nos arriscamos a fazer alguns prognósticos sobre a economia em 2017 na coluna de hoje.

O ano deve marcar o início da recuperação da economia, desde que Trump, Putin e os radicais islâmicos não inventem nenhum novo conflito internacional de grandes proporções. A nossa economia deve fazer a curva de inflexão, mudando o sentido descendente para crescimento gradual (trocar a “ladeira a abaixo” por “ladeira acima”, com subida lenta, em marcha lenta).

O PIB deve crescer perto de 0,5%. As taxas de juros devem cair, com a Selic estabilizando-se em 10% ao ano. O desemprego começa discretamente a recuar no fim de 2017. O ano não vai recuperar perdas integrais dos últimos períodos recessivos, mas promete dias melhores e a refazer a esperança no futuro.

No front doméstico a economia estará ainda dependente da agenda política e dos desdobramentos da Operação Lava Jato. Entretanto, exceto se as novas delações atingirem Temer pessoalmente ou inviabilizem a sua sobrevivência na Presidência, as novas confusões envolvendo os figurões da República já estão computadas nas expectativas do mercado.

A reformas da economia, como a previdenciária e a tributária devem dominar o debate e provocarão muita discussão entre os técnicos da economia, os políticos e o Executivo.

Tirando um pouco o chapéu de economista e colocando o turbante advinhatório do vidente “Dom Giba”, segue lista das 5 previsões gerais para 2017: Os preços na praia vão disparar e o povo vai reclamar; finalmente, teremos o anúncio da ligação de catamarãs entre a Barra da Tijuca, Bairros da Zona Sul e o Centro; o governo do estado voltará a pagar em dia no segundo semestre após ajuda da União, com o refinanciamento e carência da dívida estadual; pelo menos 5 políticos importantes receberão ordem de prisão do juiz Sérgio Moro; e, o Flamengo será campeão.

Gilberto Braga é professor de Finanças do Ibmec e da Fundação Dom Cabral

Últimas de Economia