Descontos que passam de 70% na lista do material escolar

Pais que compram pela Internet, em grupo e pesquisam garantem economia

Por O Dia

Rio - As atenções dos pais e responsáveis durante este mês, estão voltadas os gastos com a compra do material escolar que todo começo de ano é uma preocupação a mais que pesa no orçamento familiar.

Mas a saída para evitar grande impacto nas contas é aproveitar as promoções nos sites e lojas físicas, além de pagamentos facilitados e sem juros. Há casos em que os descontos passam de 70%.

O Pontofrio.com, por exemplo, oferece abatimento nos preços e o valor pode ser parcelado em até 16 vezes sem juros no cartão da marca. Já os clientes do e-commerce do Extra encontram itens até 60% mais baratos e forma de pagamento em até 12 vezes com o cartão da rede.

Especialista em Finanças alerta que procurar por marcas de materiais que sejam menos conhecidas pode no fim gerar grande economiaDivulgação

Um dos itens em promoção no Pontofrio.com é a mochila de personagens. O preço caiu de R$ 399,90 para R$ 122,34 (-70%). Já no Extra.com, é possível encontrar estojo simples do Pica-Pau de R$ 89,90, por: R$23,92 (-73,4%). Nas lojas físicas do Ponto Frio e Extra também têm promoções. Os cadernos universitários por exemplo, podem ser comprados a partir de R$ 4,69.

Para economizar, Alexandre Prado, especialista em Finanças, orienta que o consumidor pesquise preços em várias lojas. “Os valores variam muito entre um estabelecimento comercial e outro”, explica.

Outra dica é juntar-se a outros pais e fazer compras coletivas, no atacado. Além disso, procurar por marcas de materiais que sejam menos conhecidas pode no fim gerar grande economia. Alexandre Prado também adverte sobre levar os filhos na hora das compras. E sugere que, se possível, os pais reutilizem o material do ano anterior para que o custo caia ainda mais.

A assistente de Comércio Exterior, Renata Mathias, 44 anos, seguiu a dica de comprar produtos de marcas menos conhecidas. “Pesquisei e estou comprando os produtos mais baratos, não tem como se preocupar com marcas nessa crise”, explica.

A Caçula é uma lojas das que apostam na venda por atacado. Em uma de suas franquias, a do Uptown Barra, é possível comprar os materiais em embalagens econômicas, como a cola bastão Ecolutions BIC. Uma caixa com dez unidades sai por R$ 24,16. Isso significa que cada unidade custa R$2,41. Em lojas de varejo, o valor varia de R$ 4,50 a R$9. Já uma caixa com 40 borrachas Record natural, da Mercur, sai por R$ 14,57, apenas R$ 0,36 a unidade.

A vendedora Nathalia Ramos, 35, teve a ideia de se juntar com mais duas mães para comprar o material para seus filhos. A escola ofereceu a opção de compra da lista de materiais por um valor fixo, mas ela decidiu apostar na compra coletiva no atacado.

“Acredito que vamos economizar até metade do valor da lista escolar. Comprar no varejo sai caro, e a diferença quando se compra no atacado é grande”, afirma Clarissa, que indica a estratégia para economizar. “Se juntasse mais mães, seria melhor ainda”, completa.

- Diferenças

Há diferenças nas listas de material. Elas variam de acordo com a escola e a série do aluno. No entanto, o Procon orienta sobre o que pode e o que não pode ser pedido pelas instituições de ensino. Itens de uso coletivo não devem constar na lista, como papel higiênico e caneta para quadro branco.

- Sem cobrança

“Esses materiais não podem ser cobrados. Devem ser fornecidos pelo próprio estabelecimento e o seu custo é incluído nas mensalidades pagas pelos pais dos alunos”, esclarece o órgão.

- Própria escola

Escolas definem que produtos, ou parte deles, sejam comprados no próprio estabelecimento. Esta exigência só é aceitável em relação ao material didático, caso seja produzido pela própria escola.

- Exigências

Outros tipos de exigências que não são permitidas: a compra de produto de marca específica ou adquirir apenas em determinado estabelecimento comercial, quando o produto pode ser encontrado no mercado em geral. Configura “venda casada”, prática proibida pelo Art. 39, I, do Código de Defesa do Consumidor.

- Produtos

Não podem ser cobrados: álcool hidrogenado, algodão, bolas de sopro, canetas para lousa, carimbo, copos descartáveis, esponja para pratos, fantoche, fita/cartucho/tonner para impressora, fitas adesivas, fitas decorativas, grampeador, grampos, guardanapos, isopor, lenços descartáveis, livro de plástico para banho, maquiagem, marcador para retroprojetor, material de escritório, material de limpeza, medicamentos entre outros.

Reportagem da estagiária Laila Ferreira

Últimas de Economia