Sobe valor de imóvel financiado com recursos do fundo

Preço máximo das unidades enquadradas no pró-cotista passou de R$ 650 mil para R$ 950 mil no Rio, Minas, São Paulo e DF

Por O Dia

Rio - O governo federal aumentou o limite de contratação de financiamento de imóveis com recursos do programa pró-cotista do FGTS. Ontem o Ministério da Cidades alterou instrução normativa que regulamenta o programa e adequou os limites de contratação da linha aos preços máximos de aquisição de imóveis.

Em novembro do ano passado, o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorizou que o valor máximo de imóveis financiados pelos recursos do FGTS passasse de R$650 mil para R$ 800 mil, com exceção de Rio, Minas Gerais, São Paulo e no Distrito Federal, que vão para R$ 950 mil.

Instrução determina ainda que os contratos prevejam a amortização das operações de forma que, em cada pagamento, sejam liquidadas as prestações e os juros devidos. As operações que tenham sido contratadas até 31 de janeiro poderão ser finalizadas até o dia 31 de março com as condições vigentes anteriormente.

O Pró-Cotista destina recursos para financiamentos contratados por trabalhadores com contas por pelo menos três anos no FGTS e que não tenham um imóvel onde residam.

Seguro-desemprego

As normas mais rigorosas do seguro-desemprego geraram uma economia de R$3,8 bilhões no ano passado, informou o Ministério do Trabalho. Segundo a pasta, em 2015 e 2016, 14,6 milhões de pessoas solicitaram o seguro-desemprego.

Se ainda estivessem em vigor as regras anteriores, o número seria de 15,7 milhões, segundo estimativas da pasta. Foram desembolsados R$ 70,4 bilhões nesses doisúltimos anos, informou ontem o ministério. 

Antes de 2015, uma pessoa demitida podia pedir o seguro-desemprego pela primeira vez se tivesse, pelo menos, seis meses de trabalho formal antes da demissão.
Com a alteração, o tempo mínimo de serviço subiu para 12 meses trabalhados no último ano e meio.

Últimas de Economia