Procura por títulos do Tesouro Direto sobe e bate recorde

Aplicações chegam a R$ 1,7 bi em dezembro

Por O Dia

Rio - Cada vez mais o investidor de baixa renda procura por aplicações em títulos públicos. Em dezembro, os investimentos de pessoas físicas somaram R$1,715 bilhão, segundo informou ontem o Tesouro Nacional.

O valor vendido por meio do programa Tesouro Direto bateu recorde em meses de dezembro e é o quarto melhor resultado de 2016. O recorde mensal de vendas ano passado ocorreu em janeiro, com R$ 1,848 bilhão.

Apenas em dezembro passado, 19.240 aplicadores passaram a fazer parte do programa, elevando para 401,8 mil o número de investidores ativos. Nos últimos 12 meses, o total de investidores ativos (que efetivamente possuem aplicações) subiu 71,8%

O Tesouro Direto foi criado em janeiro de 2002 para popularizar esse tipo de aplicação e permitir que pessoas físicas pudessem comprar títulos públicos diretamente do Tesouro, via internet, sem intermediação de agentes financeiros. O aplicador só tem de pagar uma taxa à corretora responsável pela custódia dos títulos.

Em dezembro, os títulos mais vendidos foram os corrigidos pelo IPCA, que mede a inflação oficial. Esses papéis concentraram 51,6% das vendas em dezembro. Em segundo estão os papéis vinculados à taxa Selic, que responderam por 28% das vendas. 

Últimas de Economia