Marinha abre 1.240 vagas para escola de aprendizes

Inscrições vão de quarta-feira a 6 de março e podem ser feitas pela internet

Por O Dia

Rio - A Marinha abriu inscrições para admissão nas Escolas de Aprendizes-Marinheiros (CPAEAM) em 2017. As chances oferecidas são para formação em áreas de Eletroeletrônica, Apoio e Mecânica. Ao todo são 1.240 vagas. Entre elas 20%, ou 248 oportunidades, destinadas a candidatos negros. A remuneração chega a R$ 2,5 mil.

Após o curso%2C o aluno será marinheiro especializado e incorporado ao Corpo de Praças da ArmadaDivulgação

Para participar, o candidato deve ser brasileiro nato ou naturalizado, do sexo masculino, não ser casado ou não ter constituído união estável, assim permanecendo durante todo o período em que estiver sujeito aos regulamentos da Escola de Aprendizes-Marinheiros. É preciso ter 18 anos completos e menos de 22 anos de idade no primeiro dia do mês de janeiro 2018, ter concluído, com aproveitamento, o Ensino Médio até a data prevista no calendário de eventos para a verificação de documentos e bons antecedentes.

Interessados em concorrer a uma das vagas poderão se inscrever entre quarta-feira e 6 de março de 2017, nos sites (https://www.ensino.mar.mil.br/ e www.ingressonamarinha.mar.mil.br). A taxa de inscrição será R$40.

A primeira fase é composta de formação militar-naval – aprendiz de marinheiro, enquanto a segunda é como grumete, quando o aluno já fará especialização inicial em uma das três áreas escolhidas, em ordem de prioridade, no ato da inscrição. A bolsa-auxílio será de aproximadamente R$ 1 mil.

Após o curso, o aluno será nomeado marinheiro especializado, sendo assim, incorporado ao Corpo de Praças da Armada (CPA), permanecendo três anos nessa graduação. No terceiro ano, o militar fará curso de especialização com duração de 12 meses, sendo que, o candidato que concluir o curso com aproveitamento será nomeado cabo. A remuneração gira em torno de R$ 2.500.

QUATRO HORAS DE PROVA
A prova escrita, que terá duração de quatro horas, será constituída de 50 questões sendo 15 questões de Matemática, 15 questões de Português e 20 questões de Ciências (Física e Química). Focar em questões e ferramentas da Matemática é a principal recomendação de Paulo Estrella, diretor da Academia do Concurso.

“A divisão das questões está bem feita. São 30% para Português e Matemática e 40% para Física e Química”, conta Estrella. “É preciso que o candidato mantenha o foco nas exatas, as ferramentas matemáticas também auxiliam nas questões de Física. Portanto ter mais atenção nessa disciplina pode ajudar na pontuação final ”, orienta.

Dicas para o dia da prova ajudam no desempenho do candidato

Especialistas consultados pelo DIA orientam o candidato a chegar com pelo menos uma hora de antecedência no local da prova. Assim, evita cansaço e estresse. Leve água, se manter hidratado é muito importante. Leve uma garrafinha e a coloque no chão, próximo de sua cadeira.

Outra dica é levar algo para comer, mas dê preferência aos alimentos leves e energéticos, como chocolate, barra de cereais, frutas. Fuja de lanches “barulhentos”, como os salgadinhos e biscoitos, pois vai tirar a sua concentração e a dos outros candidatos.

Comece a prova pelas questões trabalhosas. A cabeça no início da avaliação está mais descansada e isso facilita na resolução de perguntas mais difíceis. Escolha Português (principalmente as de interpretação de texto) e de cálculos (como Matemática, estatística e contabilidade).

Reserve, no mínimo, 30 ou 40 minutos para o preenchimento do cartão resposta. O melhor é resolver toda a prova e somente no final marcar o cartão. Já a redação é melhor fazer por último, quando toda a prova (ou quase toda) estiver resolvida.
O ideal, orientam, é reservar um tempo médio para cada matéria. Esse tempo pode variar de acordo com o grau de dificuldade das questões, quantidade de texto, cálculos, complexidade dos enunciados, etc.

É importante já ter feito alguns simulados de concursos públicos antes para saber qual é o seu tempo médio por matéria, pois no dia ter uma referência ajudará.

Últimas de Economia