Coluna do Servidor: União queria 30% de desconto previdenciário

Além da elevação da taxa de 11% para 14%, membros da União defendiam que o Executivo do Rio enviasse novamente à Alerj um texto para criação de alíquota extraordinária de 16%

Por O Dia

Rio - Fontes da coluna afirmam que, nas tratativas entre o estado e a União, o governo federal insistia na proposta de desconto previdenciário de 30% para os servidores. Ou seja, além da elevação da taxa de 11% para 14%, membros da União defendiam que o Executivo do Rio enviasse novamente à Alerj um texto para criação de alíquota extraordinária de 16%. Como isso já havia sido proposto ano passado e devolvido pelo Legislativo, o estado negou essa possibilidade.

Sobre os projetos que serão enviados desta vez à Alerj, governistas contabilizam placar favorável. Segundo eles, o aumento da alíquota de 11% para 14% pode receber 38 votos, a venda da Cedae de 44 a 46 votos e a autorização de empréstimos também mais de 40 votos.

Em relação à autorização para empréstimo, uma surpresa: o Psol, principal oposição, votará a favor. “O estado tem que pagar salários. A bancada será favorável, mas contrária à venda da Cedae”, disse o líder do partido, Marcelo Freixo, afirmando que deverá haver outra garantia para o crédito.

Líder do PSDB, Luiz Paulo diz que a posição da bancada a princípio é contrária ao empréstimo para o estado não se endividar ainda mais. Colega de partido, Carlos Osório afirma que privatizar a companhia é um tiro no pé. “O governador aceitou condições draconianas impostas pela União e daqui a seis meses haverá problema de novo e não teremos a Cedae”, avalia

Últimas de Economia