Por thiago.antunes

Rio - Ciente de que ainda não tem o número suficiente de deputados para aprovar a Reforma da Previdência, o governo vai investir mais em veiculação de campanhas na mídia nesta e na próxima semana. O objetivo é tentar convencer a sociedade da necessidade das reformas, especialmente a previdenciária. Outro motivo é dar resposta aos diagnósticos de parlamentares da base aliada de que o Planalto vem perdendo a batalha da comunicação para a oposição. 

Dyogo Oliveira lembrou que há campanha de para explicar as reformasMarcelo Camargo / ABR

Foi o que afirmou ontem à agência Estadão Conteúdo o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, ao ser questionado sobre o que diria aos deputados e senadores da base que têm dado declarações em público de que a oposição tem se comunicado melhor com a sociedade do que o próprio governo.

Ele lembrou que há campanha de comunicação nas rádios, nos meios impressos e na televisão para explicar de fato as reformas. Vamos intensificar a nossa comunicação para desfazer as falsas notícias que estão sendo divulgadas. Oliveira disse que o texto da Reforma da Previdência está pronto para ser votado pelo Plenário da Câmara.

Acesso garantido

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu ontem três pedidos de liminares para que seja garantido o acesso de cidadãos às dependências do Congresso durante as votações da Reforma da Previdência.

A decisão, no entanto, só vale para os membros das entidades que ingressaram com o pedido, que foram impetrados pela OAB, pelo Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e pelo Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário. O acesso está restringido desde segunda-feira, quando o texto começou a ser votado na Comissão Especial que trata do tema. 

Você pode gostar