Feirão da casa própria da Caixa terá 20,4 mil imóveis para venda no Rio

Evento começa sexta-feira com a participação de 61 empresas

Por O Dia

Rio - Mais de 20 mil unidades serão oferecidas na 13ª edição do Feirão Caixa da Casa Própria para quem sonha em comprar um imóvel. O evento acontece a partir da próxima sexta-feira no Rio e vai até domingo com a participação de 61 empresas, no pavilhão 2 do Riocentro, em Jacarepaguá.

Na sexta e sábado, o feirão ocorrerá das 10h às 20h. Já no domingo, de 10 às 18h. Em todo o país, mais de 228 mil empreendimentos serão anunciados nas 14 cidades que sediarão o evento.

Os interessados encontrarão condições exclusivas de pagamento, como parcelamento da entrada em até 36 vezes. Haverá subsídio de até R$ 47 mil para imóveis que se encaixam no Minha Casa Minha Vida em unidades que terão valores a partir de R$115 mil.

A Tenda oferecerá três mil imóveis com valores a partir de R%24 115 milDivulgação

No Rio, serão 20.496 imóveis ofertados. Para solicitar o crédito da casa própria basta levar documento de identidade, CPF, comprovante de renda e residência atualizados.
A Construtora Tenda, por exemplo, terá cerca de três mil unidades na planta, em construção ou já prontos para morar, com valores a partir de R$115 mil.

Os empreendimentos ficam em bairros como, Realengo, Pavuna, Bonsucesso, entre outros. A MRV Engenharia vai oferecer mais de mil imóveis com valores a partir de R$ 144 mil para unidades prontas, semiprontas e lançamentos, nas zonas Norte e Oeste.

A Even levará cerca de 100 unidades residenciais e comerciais disponíveis para venda a partir de R$ 339 mil. Os imóveis ficam em bairros como Recreio, Centro e Botafogo. A Azul Construções vai anunciar 310 unidades a partir de R$ 138 mil. Dois empreendimentos serão lançados no feirão, um em Bangu e outro em Santíssimo.

A Cury terá 944 unidades com ofertas de até R$ 25 mil de desconto e a novidade da “compra definitiva” para este ano. O interessado terá o financiamento agilizado, com o prazo entre o pedido à Caixa e a liberação ficando em, no máximo, 15 dias. Se não usar o FGTS, o prazo pode ser de apenas sete dias.

Reportagem da estagiária Marina Cardoso, sob supervisão de Max Leone

Últimas de Economia