Mais Lidas

Acordo entre Mercosul e UE pode ser suspenso devido a crise no Brasil

Deputados europeus citaram instabilidade do governo de Michel Temer como um dos motivos para suspender negociação de livre-comércio

Por rodrigo.sampaio

Rio - Um grupo de deputados europeus pediu que a negociação para a criação de um acordo de livre-comércio entre o Mercosul e a Europa seja suspensa diante da crise política no Brasil. Numa carta à chefe da diplomacia de Bruxelas, os eurodeputados citam a instabilidade do governo de Michel Temer e as acusações de corrupção envolvendo o chefe de Estado no País.

A negociação, que começou em 1999, estava finalmente numa fase decisiva, com os governos tanto da Europa quanto do bloco sul-americano dispostos a fechar um entendimento até o fim do ano. Para isso, porém, os dois lados precisam ceder. A Europa tem de incluir uma abertura maior para seu mercado no setor agrícola e de carnes, enquanto o Mercosul terá de admitir um corte mais profundo de tarifas no setor industrial.

Mas a crise política hoje no Brasil põe uma pressão extra sobre o processo. No Parlamento Europeu, 22 deputados enviaram uma carta para a chefe da diplomacia da Comissão Europeia, Federica Mogherini, alertando que a negociação "precisa ser interrompida diante da crise política no Brasil".

A carta é assinada por representantes de quatro grupos políticos Além da instabilidade política, a carta obtida pelo Estado ainda alerta Federica sobre o "aumento da violência no campo e o uso de forças armadas para reprimir protestos".

Um dos grupos que apoiaram a iniciativa foi o Podemos, partido na Europa que chacoalhou a política espanhola nos últimos anos. De acordo com o deputado Xabier Benito, vice-presidente da Comissão para o Mercosul dentro do Parlamento, o "Tribunal Superior de Justiça investiga o presidente Temer e seu entorno político por supostos delitos de corrupção".

Miguel Urbán, porta-voz de Podemos na Europa, também insiste que é "absolutamente inaceitável que a Comissão Europeia continue com as negociações de um acordo de comércio com o Mercosul sem considerar a grave situação de direitos humanos no Brasil."

Demanda

Além de suspender imediatamente o acordo, o grupo pede que a comissão "avalie o impacto sobre os direitos humanos das relações de comércio e investimentos existentes entre a UE e o Mercosul".

O grupo de deputados representa menos de 10% do Parlamento Europeu. Mas fontes apontam que os deputados que assinaram a carta ocupam cargos importantes dentro das comissões de trabalho do Parlamento.

Oficialmente, Bruxelas indica que continua comprometida com o processo. Um dos objetivos é de ter um acordo desenhado já para dezembro para ser anunciado no mesmo mês durante da Conferência Ministerial da OMC, em Buenos Aires.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia