Coluna do Servidor: leilão da folha do estado registra imprevistos

Pregão ainda não foi encerrado, pois comissão encontra divergências em documentação do Bradesco

Por O Dia

Rio - O leilão da folha de pagamentos do estado ainda não se encerrou, e a comissão de pregoeiros ainda trabalha, na tarde desta quarta-feira, na análise de documentos do Bradesco. O banco foi a única instituição financeira a fazer proposta, mas a equipe do governo encontrou divergências pontuais na documentação apresentada.

Bradesco fez uma oferta cobrindo o lance mínimo em apenas R%24 0%2C78 (setenta e oito centavos)Paloma Savedra / Agência O Dia

No momento, a equipe analisa os papéis e espera a avaliação da Procuradoria Geral do Estado (PGE).

O Bradesco fez uma oferta cobrindo o lance mínimo em apenas R$ 0,78 (setenta e oito centavos).

O valor mínimo estipulado pelo estado era R$1.317.767.421, 22, e a instituição financeira fez a proposta de R$ 1.317.767.422.

O contrato do banco que administrará a folha de pagamentos de servidores e fornecedores do estado é válido por cinco anos a partir de primeiro de janeiro de 2018. Desde 2012, o Bradesco administra a folha de pagamentos do estado.

Com os recursos do leilão, o estado vai pagar os atrasados de maio e de junho, que somam pouco mais de R$ 1 bilhão. 


Últimas de Economia