Donald Trump volta a atacar Amazon por 'empregos perdidos'

Presidente dos EUA afirma que gigante digital prejudica outros varejistas e acaba com vagas de trabalho

Por O Dia

O presidente Donald Trump atacou a Amazon, nesta quarta-feira, e afirmou que a gigante digital prejudica outras varejistas e acaba com vagas de trabalho. Trump, que já criticou a gigante digital em outras ocasiões, não citou nenhum fato específico para sustentar seu argumento. Ele lançou a tirada no Twitter, enquanto era atacado por culpar "os dois lados" após a morte de uma manifestante durante uma passeata supremacista branca neste fim de semana, na Virgínia.

"A Amazon está prejudicando as varejistas contribuintes", escreveu Trump. "Vilas, cidades e estados pelos EUA estão sofrendo - muitos empregos são perdidos", acrescentou.

Donald TrumpAFP

Pareceu que Trump quis reviver uma discussão sobre uma vantagem injusta da Amazon sobre outros varejistas, por evitar os impostos de vendas. Contudo, a gigante online já aceitou pagar impostos locais sobre vendas em todos os estados americanos nos últimos anos.

Segundo o site de checagem de fatos Politifact, a Amazon pagou, no ano passado, 412 milhões de dólares em impostos federais, estaduais e locais nos Estados Unidos, além de tributos no exterior.

A empresa foi culpada pelos prejuízos de tradicionais varejistas, apesar de muitos especialistas apontarem outros fatores que influenciaram esse setor. A empresa também diversificou seus negócios e, mais do que uma grande varejista, hoje investe em serviços online como computação em nuvem, vídeos online, entre outros.

Em janeiro, a Amazon anunciou o plano de criar mais de 100 mil vagas de emprego nos Estados Unidos nos 18 meses seguintes.

Durante a campanha eleitoral, Trump disse que a Amazon teria de enfrentar "um enorme problema antitruste", provavelmente por causa de sua posição no negócio. O presidente americano também afirmou que o fundador da empresa Jeff Bezos comprou o jornal The Washington Post para fazer lobby a favor da Amazon.

Esta semana, vários líderes empresariais deixaram conselhos da Casa Branca, criticando o presidente por não ter se posicionado contra os crimes de violência racial mais rapidamente.


Com informações da AFP

Últimas de Economia