Comércio do Rio terá 10 mil vagas

Especialistas orientam que é hora de atualizar o currículo e tentar uma das oportunidades de fim de ano

Por O Dia

Rio - Em tempos de desemprego em alta - foi a 12,8% no último trimestre encerrado em julho, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua)-, as oportunidades temporárias serão a esperança dos cariocas que buscam ocupação. O comércio da cidade prevê abrir 10 mil empregos provisórios de fim do ano e durante o verão. Segundo especialistas, é hora de atualizar o currículo para tentar uma das vagas.

Expectativa de contratação para atender a demanda na Saara%2C maior centro de comércio popular do RioMárcio Mercante / Agência O Dia

Consulta do Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio (CDLRio), feita de 21 a 25 de agosto, que ouviu 500 empresas dos setores de confecções e moda infantil, eletroeletrônicos, brinquedos, entre outros, mostra que haverá contratação, apesar das dificuldades econômicas no estado.

"Mesmo com o atual cenário o resultado da pesquisa reflete a esperança da expectativa de vendas para o Natal - a grande data para o comércio, que representa 30% do faturamento do ano, e porque precede a alta temporada do verão, estação mais importante para a economia carioca. A combinação desses fatores motivaram a estimativa de contratação de temporários, 16% menor do que no ano passado", informou o presidente do CDLRio, Aldo Gonçalves.

Para conquistar uma das vagas, Anna Cherubina, professora dos MBAs da Fundação Getulio Vargas (FGV), orienta que as pessoas precisam aperfeiçoar o currículo.

"Os trabalhadores precisam estar atentos às oportunidades que aparecerão. É importante ter o currículo atualizado e destacar pontos que caracterizem que ele é voltado à prestação de serviço. Quem nunca trabalhou na área pode colocar informações como trabalhos voluntários. Engana-se quem pensa que só conta trabalhos com carteira assinada", afirma.

A pesquisa revelou que, das 500 empresas consultadas, 36% pretendem contratar, 50% estão indecisas se vão ou não planejam fazer admissões, 10% não contratarão e 4% pensam em pagar hora extra se for necessário. Dos entrevistados, 5% contratarão a partir de outubro, 61% em novembro e 34% em dezembro.

"É importante conversar com pessoas nas redes sociais. Por lá aparecem sugestões de vagas. Você tem que se mostrar visível ao mercado", acrescenta. 

Desemprego no país atinge 13,3 milhões

O desemprego no Brasil continua em alta. São 13,3 milhões de pessoas sem trabalho no país. E o número só não foi maior por conta da informalidade, que fez esse patamar recuar 0,8 ponto percentual.

Os dados constam da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgada ontem pelo IBGE. A taxa ficou em 12,8% no período de maio a julho deste ano.

No trimestre anterior, encerrado em abril, o índice de desemprego havia registrado 13,6%. Na comparação com o mesmo trimestre móvel do ano anterior, houve alta de 1,2 ponto percentual na desocupação. 

Confira as dicas

ATUALIZAR O CURRÍCULO

Segundo Anna Cherubbina, o currículo precisa estar renovado e com informações relevantes. Se é candidato ao setor varejista é necessário saber “se vender” no documento.

RECUPERAR CONTATOS

É importante você estar visível para o mercado de trabalho. Ela orienta o trabalhador a conversar com pessoas conhecidas o quanto antes, além de criar perfis em redes profissionais para tornar a evidência maior.

ESPECIALIZAÇÃO

Quem puder se preparar com cursos específicos pode ser diferencial na hora da contratação. Existem cursos para se aperfeiçoar em determinada formação.


*Reportagem da estagiária Marina Cardoso sob supervisão de Max Leone

Últimas de Economia