Pezão mostra plano de recuperação fiscal e diz que estado terá ajustes 'duros'

Na coletiva desta quarta, governador negou ainda a privatização da Uerj: 'Não há espaço para isso'

Por O Dia

Rio - Em coletiva para apresentação do plano de recuperação fiscal do Rio, na manhã desta quarta-feira, o governador Luiz Fernando Pezão foi enfático que, durante o regime, o estado passará por um período de ajustes "duros".

Os secretários de Fazenda, Gustavo Barbosa, e da Casa Civil, Christino Áureo, fizeram coro e também ressaltaram que o estado atuará fortemente para o aumento de arrecadação, como na receita oriunda da produção de petróleo. 

"Todos tivemos erros mas nunca é tarde pra consertarmos e nos direcionarmos para o futuro. Os fluminenses não podem pagar pelos erros e divergências, e deixar o estado do jeito que estava sendo tocado", declarou Pezão.

Ministro da Fazenda%2C Henrique Meirelles discursou nesta quarta-feira durante apresentação do plano de recuperação do RioEstefan Radovicz / Agência O Dia

O governador também pontuou a questão problemática do Rioprevidência, que teve brusca queda de receita por conta da redução da arrecadação dos royalties de petróleo.

"Não foi nossa administração, nem eu nem o Sérgio (Cabral) que colocamos os royalties na cesta da previdência", afirmou Pezão fazendo referência ao ex-governador (hoje preso pela Lava Jato).

Barbosa apresentou as ações que o estado tomará e foi categórico: "Será um período de ajustes duros, mas necessários". "Será uma temporada de ajustes, e isso tem que ser comunicado", completou Áureo.

"Não falamos em privatizar a Uerj, não há espaço pra isso", afirmou Pezão

O governador Luiz Fernando Pezão afastou a ideia de se privatizar a Uerj na coletiva desta quarta-feira. Ele também sugeriu que seja discutida a possibilidade de ex-alunos da Uerj retornarem esse ensino público que tiveram servindo gratuitamente a universidade por alguns anos.

"Será que depois de alguns anos essa pessoa não pode retornar e pagar o que a sociedade transferiu pra ela com política de cota e dando ensino de qualidade? Será que esse médico não pode trabalhar na nossa rede? Não podemos fazer essa discussão?", colocou o governador.

Ele também discursou sobre os altos gastos com a Previdência estadual, e pediu que seja discutido o assunto, principalmente em relação à aposentadoria especial.

Últimas de Economia