Valor da conta de luz cairá até 20% com criação da tarifa branca

Agência confirma que consumidor pode optar pelo novo modelo a partir de janeiro de 2018

Por O Dia

Rio - Os clientes de operadoras de energia elétrica vão poder economizar na conta de luz a partir de janeiro. Conforme O DIA antecipou em 1º de agosto, os consumidores terão opção de aderir a uma nova tarifa (branca) criada para diminuir o consumo no horário de uso maior. O mecanismo permitirá cobrar menos pela energia fora do período de pico, que no Rio, vai das 17h30 às 20h30. A estimativa é que seja possível reduzir o valor da conta entre 10% e 20%. Ontem a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu que manterá o início da vigência da tarifa branca para o começo de 2018.

A tarifa branca valerá, inicialmente, para clientes que consomem mais de 500 quilowatts-hora (kWh) por mês, o que na Light, resulta em conta média de R$ 420,64, segundo o simulador da empresa na internet. Com a redução, haverá economia de R$ 42,06 a R$ 80,13. Novas ligações também poderão ser instaladas com o serviço. A Aneel estima que sejam 4,5 milhões de clientes no país nesse grupo.

Tarifa branca será opcional e mais vantajosa fora de horário de picoErnesto Carriço / Agência O Dia

Quem gasta menos - abaixo de 250 kWh e tem custo médio de até R$ 171,88 na conta da Light - vai poder optar a partir de janeiro de 2019 pela tarifa branca. A queda ficará entre R$ 17,18 e R$ 34,37. São cerca de 15,9 milhões de clientes neste grupo.

Já de janeiro de 2020 em diante, qualquer pessoa está liberada para fazer a migração. Em média, uma família consome 150 kWh mensais, o que dá uma conta de luz de R$ 103,12. Assim, o desconto vai de R$ 10,31 a R$ 20,62.

Atualmente, o consumidor paga o mesmo valor pela energia em qualquer horário do dia, seja manhã, tarde, noite e madrugada. Com a tarifa branca, ela vai ficar mais em conta por três horas no momento em que a rede é mais demandada: dias de semana, no início da noite, normalmente entre 18h e 21h. De acordo com Aneel, uma hora antes e uma hora depois do horário de pico, o custo do consumo será intermediário, e nos demais horários, será mais barata. Nos fins de semana, não haverá diferenciação.

Para se beneficiar,será preciso optar e pedir à distribuidora para migrar. Segundo a agência reguladora, as companhias terão 30 dias para instalar o novo medidor. O equipamento vai verificar o consumo, conforme o horário de uso. A troca não será cobrada.

Atenção redobrada com horários

Mas os clientes devem ter atenção redobrada. Isso porque, no novo modelo existirá horário em que a energia pode sair mais cara. Para evitar surpresas desagradáveis na conta de luz é preciso ficar atento ao perfil de consumo.

Para esclarecer todas as dúvidas, a Proteste Associação de Consumidores separou os principais itens que o cliente de operadoras devem saber antes de optar, ou não, pela tarifa branca. "Conheça bastante as regras e verifique a possibilidade de se adaptar aos melhores horários da tarifa", orienta o analista de mercado da Proteste, Rafael Bomfim.

A entidade alerta que antes de migrar para a tarifa branca, o consumidor deve analisar se consegue efetivamente se adequar ao sistema. Caso seja difícil mudar o horário do banho para o dia ou para a madrugada, será mais barato permanecer no regime atual. A mudança é opcional. A tarifa branca pode no horário de pico elevar o custo da energia em 84%.

De acordo com a entidade, os períodos de ponta são as três horas de maior consumo, as primeiras horas da noite.

Últimas de Economia