Correios entram em greve no Rio

Funcionários se juntam com trabalhadores de 25 estados e do Distrito Federal

Por O Dia

Rio - Os funcionários dos Correios no Rio decidiram aderir à greve nacional, após assembleia na noite de terça-feira. Eles se juntam com trabalhadores de 25 estados e do Distrito Federal. Com isso, várias contas podem atrasar. O Procon-RJ orienta que o cliente precisa entrar em contato com as empresas para verificar formas alternativas de pagamento.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares do Rio de Janeiro (SINTECT-RJ), Ronaldo Martins, explica que a paralisação não prejudicará os serviços. "Tomamos essa decisão depois da proposta que jogava o reajuste para janeiro e sem retroatividade, sendo que nossa data base é agosto. A greve quer conscientizar, mas sem causar bloqueio no serviço. Temos expectativa de voltar a negociação logo", disse.

A Light informou que para solicitar segunda via da conta é preciso acessar aplicativo, site, chat virtual, disque-Light 08002820120 ou pelo pedir pelo e-mail agencia.virtual@light.com.br. A NET e a Claro esclarecem que existem opções para obter a fatura, sem custo adicional, em portal da internet, aplicativo, central de relacionamento 1052 (Claro) e 10621 (NET).

A TIM esclareceu que a conta do cliente está disponível no aplicativo Meu TIM, pelo site ou ligando para *144# (consulta de informações na tela do celular), *144 ou 1056 (para ligação de fixo). Já a Vivo oferece o aplicativo Meu Vivo e o site www.vivo.com.br/meuvivo. Os clientes do serviço móvel poderão, ainda, utilizar o código de barras enviado por SMS ou solicitar gratuitamente com a palavra "codigo" para 1058.

Os Correios ingressarão com ação de dissídio coletivo junto ao Tribunal Superior do Trabalho (TST). "A companhia continua colocando em prática ações de deslocamento de empregados entre as unidades e a realização de horas extras. No Estado do Rio, cerca de 85% do efetivo está presente e trabalhando", informou a empresa.

Reportagem da estagiária Marina Cardoso sob supervisão de Max Leone

Últimas de Economia