Governo quer aumento de 43% na bandeira vermelha da conta de luz

Tarifa na faixa de maior patamar subiria de R$ 3,50 para R$ 5 a cada 100 quilowatts-hora, já a partir de novembro

Por O Dia

Rio - A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou, nesta terça-feira, uma proposta de reajuste de quase 43% sobre o atual valor da bandeira tarifária vermelha patamar 2, a mais cara do sistema, cobrada sempre que as usinas térmicas mais onerosas precisam ser mantidas ativas para suprir a alta demanda de consumo de energia.

Bandeira vermelha patamar 2, a mais cara, pode sofrer aumento de R$ 3,50 para R$ 5 a cada 100 quilowatts-horaDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

A proposta será submetida à consulta pública, podendo sofrer mudanças. Se o reajuste for aprovado, quando a bandeira vermelha patamar 2 for acionada, os consumidores deixarão de pagar os atuais R$ 3,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) e passarão a pagar R$ 5 de taxa extra, já a partir de novembro.

A agência também sugeriu alteração da bandeira tarifária amarela, que poderá ficar 50% mais barata, passando de R$ 2 para R$ 1 de cobrança extra a cada 100 kWh. A bandeira amarela é a primeira da escala de cobrança adicional na conta de luz.

Segundo a Aneel, o objetivo da medida é reajustar os valores que as distribuidoras cobram dos consumidores para custear a compra de energia elétrica – custos que aumentam sempre que as usinas térmicas precisam ser acionadas para suprir o mercado consumidor, devido ao baixo nível de água nos reservatórios das hidrelétricas, que são a principal fonte de abastecimento no setor elétrico brasileiro.

A bandeira vermelha patamar 2 foi acionada no início deste mês pela primeira vez desde que a faixa foi desmembrada em duas, em janeiro de 2016. No mês passado, estava em vigor a bandeira amarela.

O acionamento da bandeira vermelha 2 foi adotado devido à baixa vazão das usinas hidrelétricas, já que as chuvas em setembro ficaram abaixo da média. Na sexta-feira, a Aneel divulgará a bandeira tarifária que estará em vigor em novembro.

Últimas de Economia