Servidor: comissão cobra data comum para pagamento do funcionalismo estadual

Representantes do Movimento Unificado dos Servidores (Muspe) se reuniram para decidir o que será tratado no encontro, que foi agendado na quarta-feira passada

Por O Dia

Rio - A cobrança de uma data comum para o pagamento de todo o funcionalismo estadual, que recebem em dias diferentes, é o principal assunto que vai ser colocado na pauta da reunião de amanhã entre a comissão de servidores e o governador Luiz Fernando Pezão, às 11h, no Palácio Guanabara. Representantes do Movimento Unificado dos Servidores (Muspe) se reuniram para decidir o que será tratado no encontro, que foi agendado na quarta-feira passada, após a manifestação realizada pelo funcionalismo estadual.

Isonomia será cobrada por comissão em reunião com PezãoDivulgação

Entre as 42 entidades que fazem parte do movimento, 15 vão participar da reunião. Também vão fazer vigília do lado de fora. "O objetivo é ter pelo menos um representante de cada segmento, para tratarmos de pautas comuns, como a regularização imediata dos pagamentos e a cobrança de que o estado cumpra o calendário", explicou André Ferraz, diretor da Associação dos Servidores da Vigilância Sanitária do Estado do Rio (Asservisa).

Fim das irregularidades

A falta de regularidade dos pagamentos é a maior queixa da Associação de Docentes da Uerj (Asduerj), que também realizou uma assembleia. "Isonomia é a questão central. Se há um cenário de crise, não é justo que o estado pague determinadas categorias, em detrimento de outras. Recebemos o salário de agosto na semana passada. Por que temos que receber por último?", questiona o diretor, Guilherme Abelha.

Crédito amanhã

A Secretaria Estadual de Fazenda confirmou os depósitos dos ativos da Educação, que são pagos com recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), e os ativos, aposentados e pensionistas da Segurança, que são pagos com recursos do Tesouro Estadual, recebem o salário de outubro amanhã.

Ainda sem data

O pagamento de setembro continua pendente para 221.604 ativos, aposentados e pensionistas do estado. O funcionalismo ainda aguarda o calendário oficial para quitar os atrasados. A dívida acumulada é de R$650 milhões. A Secretaria Estadual de Fazenda ainda não tem o calendário para quitar os atrasados, que serão quitados através de arrecadação tributária.

Ação no MP

Esta semana a Asduerj se reúne com a reitoria para debater sobre a irregularidade dos pagamentos. Há a possibilidade de entrarem com uma ação no Ministério Público. "É uma questão de foro administrativo. Houve uma quebra de isonomia do governo, já que desde apesar do calendário oficial, o estado nunca cumpriu o pagamento no 10º dia útil para todos", reclamou o secretário geral, Frederico Irias.

Metroviários

Cerca de 2600 ex-servidores da antiga Companhia do Metropolitano do Rio de Janeiro vão receber o dissídio coletivo de 1995/96, que garantiu o reajuste salarial de 4,44%. Segundo Héber Fernandes, presidente do Sindicato dos Metroviários do Rio de Janeiro, a categoria aguarda a execução da sentença. A preocupação é que apenas 1500 se habilitaram a receber.

Sem acordo

Funcionários da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) entraram em greve ontem. Os servidores reivindicam 4% de reajuste para repor a inflação do período e as perdas acumuladas, reclamam a retirada dos direitos do Acordo Coletivo e a falta de reajuste à Ajuda Alimentação, ao Auxílio às Pessoas com Deficiência, ao Auxílio Creche e ao Seguro de Vida em Grupo.

Sem benefícios

Os grevistas afirmam que a direção da EBC quer retirar direitos como o Vale Cesta Alimentação (pago somente em dezembro e junho), a garantia de translado aos trabalhadores por questões de segurança, a Complementação de Auxílio Previdenciário, o Vale Cultura, a multa pelo descumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho e até o fim do quinquênio para quem ingressar.

Últimas de Economia