Acordo da poupança para quem tem ação

Estima-se que o valor varie entre R$ 8 bilhões a R$ 16 bilhões

Por O Dia

Rio - O acordo fechado entre bancos e poupadores sobre as perdas decorrentes dos planos Bresser (1987), Verão (1989), Collor 1 (1990) e Collor 2 (1991) só vai beneficiar quem já tem com ações na Justiça. Os demais clientes ficarão de fora. Estima-se que o valor varie entre R$ 8 bilhões a R$ 16 bilhões.

A minuta final deve ser assinada na próxima segunda-feira e apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF). Caso o acordo seja homologado, cerca de um milhão de processos judiciais em andamento serão extintos.

Embora tenham fechado as bases financeiras do acordo, representantes da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), Frente Brasileira dos Poupadores (Frebapo) e do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) ainda fazem acertos finais, entre eles a abrangência dos pagamentos.

Na última terça-feira, representantes de poupadores e de instituições financeiras decidiram contemplar os poupadores que entraram com ações coletivas e aqueles que tinham ações individuais em tramitação -grupo que poderia ir diretamente ao banco dentro de seis meses após a homologação pela Suprema Corte.

Últimas de Economia