Profissão certa: Futebol e carreira

Primeira coisa a fazer é olhar para dentro de você mesmo e tentar descobrir quais são os seus pontos fortes e os fracos

Por O Dia

Futebol e carreiraReprodução Internet

Rio - Para tornar mais agradável a explicação de cada etapa do processo de escolha da profissão, vamos fazer a comparação do jovem que está decidindo qual o curso universitário vai seguir com alguém que quer praticar um esporte amado pelos brasileiros: o futebol.

Imagine um jovem que pretende jogar em algum time e chega pela primeira vez na beira do campo. Ele deseja estar lá, entre os jogadores que estão disputando a partida, mas como fazer?

Não adianta apenas pegar qualquer camisa do time e esperar a hora de jogar. Afinal, vai jogar no ataque? Na defesa? No meio de campo? No gol? Antes de responder a essas perguntas, ele tem que pensar um pouco sobre suas habilidades e limitações. Pensar sobre si mesmo. Primeiro, é preciso saber em qual posição se enquadra melhor. E só depois escolher uma das camisas da equipe.

Para jogar no ataque, é preciso ser rápido, para fugir dos adversários. Para jogar na defesa, é preciso ser forte, para parar os atacantes. No meio de campo, é preciso ter raciocínio rápido, para distribuir as jogadas aos companheiros de time. No gol, é preciso ser ao mesmo tempo alto e ágil, para defender as bolas chutadas contra a baliza. O jovem deve pensar sobre quais dessas características são fortes nele e quais são fracas, antes de decidir.

Esse mesmo pensamento deve ser aplicado à escolha da carreira.

Em busca da vocação

A primeira coisa a fazer é olhar para dentro de você mesmo e tentar descobrir quais são os seus pontos fortes e quais são os seus pontos fracos. Não adianta um jovem querer ser goleiro se é baixinho, assim como é complicado querer seguir a profissão de médico se uma pessoa tem medo de sangue.

As qualidades que você tem para exercer determinada carreira profissional ou tarefa são chamadas de vocação. É preciso descobrir qual é a sua vocação e procurar uma profissão que se adapte a ela.

Dunga e o sonho

Mas atenção: mesmo alguém que tenha pouca vocação para uma carreira pode se dar bem se tiver muita vontade de seguir uma profissão. Muitas vezes, o interesse por aquela ocupação é tão grande que supera as limitações.

Foi o que aconteceu com Dunga, o treinador da seleção brasileira, quando jogador. Todos diziam que não tinha habilidade para driblar ou fazer gols. Mas sua vontade de jogar futebol profissional era tão grande que ele realizou seu sonho.

Vocação x interesse

Nesse caso, o interesse de Dunga superou a vocação. Mas, de uma maneira geral, a escolha da profissão deve ser feita pensando em qual é a sua vocação. Pergunte a si mesmo quais atividades vocês gosta de fazer, quais matérias prefere na escola, quais são as suas principais habilidades. Dessa forma, vai identificar qual é a sua vocação. Esse é o ponto de partida para escolher a uma carreira profissional em que tenha sucesso e seja agradável.

Últimas de _legado_Empregos e Negócios