App reúne diversos serviços de beleza

Plataforma gera oportunidades para manicure, massagista e depilador aumentarem a clientela

Por O Dia

Rio - É como em um serviço de transporte. O usuário abre o aplicativo, preenche algumas especificações e pronto: o carro chega até ele. No app Singu, são manicures, massagistas e depiladores que atendem os clientes após aceitarem as notificações na tela do celular. A comparação é oportuna, pois foi após a venda do Easy Taxi que Tallis Gomes, fundador dos aplicativos, decidiu desenvolver o mesmo modelo de startup no setor de beleza. Até o momento, há mais de 800 profissionais cadastrados no Singu, uma abreviação para 'singular'. Desde a criação do software, em dezembro de 2015, foram repassados cerca de R$ 1,7 milhão a todos os prestadores de serviço cadastrado, segundo dados da empresa.

Cliente consulta o site do app Singu%2C que está disponível para Android e iOS%3A mais de 50 mil downloadsDivulgação

O profissional fica com 70% do valor pago pelo serviço. O aplicativo retém 30%. "Nós invertemos a lógica no setor, já que os salões de beleza ficam com os 70% que estamos repassando aos profissionais. É mais uma alternativa para eles chegarem aos clientes, especialmente os que trabalham como autônomos", diz Gomes.

Moradora de Nova Iguaçu, a manicure Mariele Alves dos Santos, de 31 anos, decidiu fazer um teste. Ela trabalhava em um conceituado salão de beleza da Barra. Quando entrou de férias, decidiu trabalhar o mês inteiro atendendo pelo aplicativo. Duas semanas depois de voltar ao salão, pediu demissão. "Percebi um lucro maior de 50% no período em que atendi apenas pelo aplicativo", estima Mariele, que atua como manicure e depiladora. Ela faz 12 atendimentos por semana.

Para entrar no Singu, ela passou por uma triagem comum a todos que se inscrevem no app pelo site singu.com.br. Após o cadastro, os profissionais passam por um teste presencial na sede da empresa, no Centro do Rio. Caso aprovados, recebem treinamento, um kit com itens básicos para o atendimento e senha para usar o aplicativo. O processo ainda inclui a checagem de ficha criminal. "A seleção dos prestadores de serviço tem que ser rígida, pois estamos levando os profissionais à casa das pessoas", diz Tallis Gomes.

O verbo 'levar' faz sentido. Pois no Singu, semelhante ao sistema do Easy Táxi, uma rota é calculada até o cliente assim que o profissional aceita um pedido. "O aplicativo ainda sugere o meio de transporte mais adequado para o deslocamento", diz Gomes, que pretende expandir a oferta de serviços. Por enquanto, somente manicures, depiladores e massagistas podem se cadastrar no aplicativo que, segundo a empresa, tem crescido 30% ao mês.

Últimas de _legado_Empregos e Negócios