Crivella diz que vai aumentar a produção de região com UPP

Candidato do PRB promete criar espécie de zona franca para reduzir criminalidade

Por O Dia

Rio - Candidato do PRB ao Palácio Guanabara, Marcelo Crivella disse ontem que manterá as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), que classificou como grande avanço, e que pretende criar zonas francas nessas áreas para estimular a produtividade dos moradores e diminuir a criminalidade. Crivella participou do terceiro e último dia da série Encontros do Comércio com Candidatos, evento promovido pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ), em parceria com o Senac RJ e apoio do DIA.

“Roupa de hospital, roupa de cama de presídios, conserto de móveis escolares. Tudo o que o governo do estado precisar será comprado nessas zonas francas, em comunidades pacificadas”, disse. “É uma forma de dar oportunidades a quem mora nessas comunidades e reduzir a violência”, completou o candidato.

O senador disse ainda que pretende implantar a ‘companhia de motociclistas’ em cada Batalhão de Polícia Militar, ideia sugerida pelo seu vice, general Costa Abreu. “Dessa forma, podemos estar em mais lugares. Isso vai melhorar, inclusive, o comércio de rua e a vida cultural das cidades.”

O senador Marcelo Crivella defendeu a criação de zonas francas para aumentar a produtivdade da população de áreas com UPPs%2C para judar na diminuição da criminalidadeMaíra Coelho / Agência O Dia

Crivella informou que pretende utilizar os recursos da exploração de petróleo da camada do pré-sal para atrair indústrias e gerar empregos em “áreas dormitório”, como São Gonçalo e Baixada. Segundo ele, empregos no setor industrial costumam oferecer um bom salário para o trabalhador.

O senador afirmou ainda que oportunidades de emprego perto de casa podem contribuir para conter problemas de mobilidade urbana, como engarrafamentos. O candidato também defendeu a construção de um metrô de superfície na Baixada. Segundo ele, especialistas da UFRJ afirmam ser possível fazer o empreendimento ao custo de R$ 3,5 bilhões.

Crivella disse ainda que uma das conquistas dos últimos anos foi a pareceria entre os governos estadual e federal e que teme pelo futuro dessa aliança.“O governo do Sérgio Cabral (PMDB) pode ter tido inúmeros defeitos, mas, se teve uma coisa importantíssima que ele fez, foi firmar uma parceria com o Planalto.

Tenho receio de que os próximos governadores eleitos desfaçam essa aliança que tanto beneficiou o Rio”, avaliou o senador. Em seguida, Crivella lembrou obras realizadas nos últimos anos que receberam verba da União, como o Arco Metropolitano, a Transoeste, a Transbrasil e a construção do Complexo Petroquímico de Itaboraí (Comperj).

PROGRAMA DE GOVERNO

SEGURANÇA PÚBLICA

“Não podemos recuar com as UPPs. A UPP resgatou para os fluminenses territórios antes dominados pelo narcotráfico, que não apenas vendia a droga, mas queria mandar na vida das pessoas, que viviam sob regras impostas. Houve, sim, migração para o interior, Baixada e Niterói. Vamos combater. Vou trazer soldados que vão dar baixa do Exército no final do ano, para fazer um convênio e aumentar o efetivo rapidamente. Meu vice, o general Abreu, é especialista no assunto e inclusive fez a segurança do Papa Francisco durante a Jornada Mundial da Juventude, no Rio. Ele me deu a ideia de fazermos a companhia de motociclistas em cada Batalhão de Polícia Militar. Para que o policial possa estar em mais lugares. Isso vai melhorar, inclusive, o comércio de rua e a vida cultural das cidades.”

EDUCAÇÃO
“Investir na escola técnica é fundamental. Quero também que os professores façam a TV Enem, para os três anos do Ensino Médio. O aluno estuda no turno e tem aulas de reforço em outro horário. E isso vai ser cobrado em sala de aula. Outra questão é que o piso e o reajuste não são feitos da forma como deveria. Nossos professores não têm plano de saúde, mesmo o nosso estado tendo recurso per capita igual ao de São Paulo. Não entendo como se pode deixar a educação de lado e, ao mesmo tempo, fazer uma campanha de R$ 100 milhões para se eleger.”


CARGA TRIBUTÁRIA

“Há um fanatismo no Fisco. Acho que tínhamos que fazer concurso público para contratar terapeutas e psicólogos para os funcionários de arrecadação do governo. As pessoas têm que entender que, na sua sanha por produtividade, para aumentar a arrecadação, tem um limite. A substituição tributária era uma forma de anular os benefícios do Super Simples. Nós votamos isso no Senado e comemoramos o fim da substituição tributária para microempresas. Tenho também um projeto no Congresso para acabar com a multa no Imposto de Renda. Vamos supor que você pague R$ 3 mil em dez parcelas de R$ 300. Se, na última parcela de R$ 300 você atrasa um dia que seja, você vai pagar uma multa de 30%, mas não sobre a parcela de atraso, mas pelos R$ 3 mil. Estou levando essa questão à Receita Federal. No meu governo, eu e as pessoas da área econômica vamos sentar e ver o que podemos fazer no sentido de fazer uma desoneração inteligente, que é aquela desoneração que faz com que os negócios cresçam e a arrecadação de imposto aumente.”

TRANSPORTE

“Vou colocar câmeras nos ônibus e inspetores à paisana para que os motoristas passem a parar nos pontos para idosos e estudantes de escolas públicas. Além disso, vou reduzir alguns benefícios que as empresas de ônibus têm. Precisamos também comprar mais trens e investir num metrô de superfície para a Baixada.”

Mira no líder Garotinho

Com críticas à gestão do ex-governador Anthony Garotinho (PR), Crivella disse que o eleitor deve analisar a ficha dos candidatos “com lupa”, porque, mesmo condenados em primeira instância, políticos ainda podem concorrer ao Palácio Guanabara.

“Vocês vão querer eleger um homem que vai estar o tempo todo sujeito a ser apeado do governo? A Justiça é lenta, mas o processo corre. Em um desses 32 processos, ele vai perder. Já pensou o estado ficar sem governador?”, instigou Crivella, completando que, quando o mau exemplo vem do governador, a roubalheira acontece nos mais diversos setores.

Crivella lembrou a apreensão do Tribunal Regional Eleitoral, no Complexo da Maré, em que foram recolhidos medicamentos e formulários do ‘Cheque-Cidadão’, que seriam usados para persuadir moradores a votarem em Garotinho.

“Meu Deus do céu! O Ministério Público Eleitoral há de se levantar. O poder econômico não pode corromper a democracia.” De acordo com as últimas pesquisas de intenções de voto, o candidato do PR, Anthony Garotinho, aparece na liderança na corrida ao Palácio Guanabara. Já Crivella e Luiz Fernando Pezão (PMDB) estão empatados tecnicamente em segundo lugar. Garotinho prevê que se elegerá governador do estado ainda no primeiro turno.

Últimas de _legado_Eleições 2014