Marina Silva defende projeto que tira royalties do Rio

Presidenciável do PSB defende a pulverização de recursos do petróleo a outros estados

Por O Dia

Rio - Na queda de braço sobre a redistribuição ou não dos royalties do petróleo, a presidenciável Marina Silva (PSB) é contra o Rio de Janeiro e o Espírito Santo, principais beneficiados pela compensação ambiental. O caso foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF), depois de o Congresso Nacional ter derrubado os vetos da presidenta Dilma que preservam os contratos e as verbas do estado. O Rio perderia, por ano, R$ 1,6 bilhão, segundo a Secretaria de Fazenda.

Marina Silva e Beto AlbuquerqueDivulgação

A informação foi confirmada ontem ao DIA pelo chefe de comunicação da campanha da presidenciável, Nilson Oliveira. Segundo ele, a ex-senadora mantém o posicionamento de 2010, quando concorreu à Presidência da República pela primeira vez. No Rio, naquele ano, ela ficou em segundo lugar na disputa no primeiro turno, recebendo 31% dos votos válidos. Perdeu para Dilma Rousseff, do PT. Na última pesquisa do Ibope, a ex-senadora aparece à frente da petista no estado (38% contra 32%).

“Penso que a distribuição dos royalties não deve ficar apenas com os estados produtores”, disse Marina Silva ao DIA, em 2010, afirmando, porém, que Rio de Janeiro e Espírito Santo tinham de ser “valorizados”. “Mas as riquezas devem ser compartilhadas por todo o país”, completou. Seu posicionamento diz respeito à divisão dos royalties não só dos campos a serem descobertos,mas aos já explorados. Tanto à época como agora a ex-senadora não deixa clara a compensação que proporia aos estados produtores.

Pela Lei dos Royalties, a que Marina Silva defende, os estados produtores, que recebem 26% do dinheiro, teriam a fatia reduzida para 20%. Os municípios seriam os principais prejudicados, pois deixariam de receber 26,25% e, já no ano seguinte, passariam para 15%, chegando a apenas 4% em 2020.

Segundo cálculos do governo estadual, os prejuízos do Rio de Janeiro chegariam a R$ 27 bilhões em 2020. Já o Estado do Espírito Santo deixaria de receber R$ 10,5 bilhões.

Na opinião de economistas ouvidos pelo DIA, os royalties não são apenas uma compensação ambiental. Para eles, o dinheiro substitui a arrecadação do ICMS que, no caso do petróleo, não é cobrado na origem, como os outros produtos.

Só em 2013, segundo estudo da Secretaria Estadual de Fazenda, o Rio de Janeiro deixou de arrecadar R$ 8,8 bilhões, mais do que recebeu de royalties do petróleo (R$ 8,2 bilhões).

Declarações de bens de candidata na mira do MP

A campanha de Dilma Rousseff pediu ontem ao Ministério Público Eleitoral que investigue supostas irregularidades na declaração de bens de Marina Silva. A ex-senadora faturou R$ 1,6 milhão desde 2011 com palestras.

O dinheiro é administrado por sua empresa M.O.M. da S.V de Lima, que, à Justiça Eleitoral, teve declarado patrimônio de R$ 5 mil. Marina oficializou ao TSE possuir patrimônio de R$ 135 mil. Somados, os rendimentos dela e o da empresa chegam a R$ 584,1 mil.

Marina declarou ainda ter R$ 27,9 mil no banco. Para o PT, a candidata não informou à Justiça Eleitoral a existência de poupança composta pelos recursos das palestras.

Só o faturamento mensal da empresa da ex-senadora lhe rende, em média, R$ 41 mil. No debate de segunda-feira, promovido pelo SBT, ‘Folha’ e UOL, ela se recusou a divulgar o nome das empresas para quem trabalhou, justificando-se por cláusulas de confidencialidade que a impediam de falar. Na ação, porém, o partido adversário afirma que um de seus clientes garantiu que foi a própria ex-senadora quem impôs a confidencialidade sobre cachê recebido.

Se confirmado, o caso pode virar Inquérito Criminal.

Últimas de _legado_Eleições 2014