Humorista do SBT associa candidata do Psol a Hitler

Troca de 'farpas' entre apresentador e entrevistada seguiu nesta terça-feira

Por O Dia

Rio - O debate travado nesta segunda-feira entre a candidata à Presidência Luciana Genro (Psol) e o apresentador Danilo Gentili, do SBT, segue repercutindo nas redes sociais. Durante a entrevista, realizada no programa ‘The Noite’, o humorista perguntou sobre as experiências de socialismo e comunismo, associando os regimes às mortes ocorridas em países como China, Cuba e Coreia do Norte. Em resposta, ouviu que “deveria estudar mais um pouco”.

Os dois continuaram a trocar farpas nesta terça-feira à tarde, via Facebook, mobilizando defensores dos dois lados. Gentili postou um ‘meme’ em que associa a resposta que ouviu de Genro ao ditador nazista Adolf Hitler, que comandou regime responsável pela morte de milhões de pessoas. “Não é bem assim, você precisa estudar. Eu sou muito bom em argumentos”, diz trecho da tirinha. Em resposta, a ex-deputada diz que o humorista “passou dos limites”.

Danilo Gentili associou Luciana Genro a HitlerReprodução Internet

“Gentili confirma que realmente precisa estudar. Apologia ao nazismo é crime. O holocausto nazista matou milhões. Minha familia tem origem judia e não admito brincadeira com esta tragédia da humanidade. Mais uma vez Danilo Gentili passa dos limites!”

A candidata e o humorista não paravam de discordar em diversos pontos durante o programa. Ela negou, por exemplo, o suposto envolvimento do deputado estadual Marcelo Freixo (Psol) com adeptos da tática ‘black bloc’, responsável pela depredação de patrimônio em manifestações no Rio. Genro também se disse favorável à descriminalização da maconha e admitiu ter usado a droga na juventude. “Fui eleita deputada com 23 anos. Depois disso, não poderia usar mais ilícitos”, rebateu a candidata. 

Apresentador e entrevistada seguiram trocando farpas nesta terça-feiraReprodução Internet

Roger Moreira, vocalista da banda ‘Ultraje a Rigor’, também participou da conversa, que durou cerca de 20 minutos. O músico disse que socialismo e comunismo “já mataram mais de 80 milhões de pessoas no mundo” e que “velhões babões” ainda acreditam neles.

“Muito se fala dos assassinatos cometidos por regimes ‘stalinistas’, mas pouco se fala dos provocados pelo capitalismo, seja pelas guerras, pela fome, pelo desemprego. Em nenhum lugar do mundo temos um modelo a seguir, temos que construir o nosso. Por isso botamos o nome de socialismo e liberdade no nosso partido, para diferenciar de experiências autoritárias”, defendeu-se Genro.

Ao final, Gentili pediu que a candidata contasse uma piada em 30 segundos. Em vez disso, Genro preferiu pedir votos ao público. “Não deixa de ser uma piada”, retrucou o humorista.

Últimas de _legado_Eleições 2014