Por nicolas.satriano

Rio - O governador e candidato à reeleição, Luiz Fernando Pezão, (PMDB) voltou a atacar, na tarde desta segunda-feira, seu adversário na disputa pelo Palácio Guanabara, Marcelo Crivella (PRB). Questionado sobre o tom dos últimos programas eleitorais na televisão onde a relação entre Crivella e a Igreja Universal foi amplamente explorada, Pezão disse que a população tem que saber o que está "atrás da candidatura" do opositor.

"Minha aliança é muito clara. Não sou testa de ferro de ninguém. Não sou testa de ferro de uma organização. Então é isso que a gente está mostrando, o que representa essa candidatura, a quem está servindo", atacou Pezão, ao sugerir as relações entre Crivella e a igreja. E continuou, ao criticar o fato de no primeiro turno tanto o candidato do PRB quanto os outros adversários terem explorado o fato de Pezão ter sido vice de Cabral. "A minha aliança é de partidos. Não é uma aliança como a dele", alfinetou.

Pezão retoma ataques contra o adversário e diz que população precisa "saber o que está por trás de campanha"Márcio Mercante / Agência O Dia

O peemedebista fez campanha no mercadão de Madureira e chegou no local de BRT acompanhado do deputado estadual eleito e ex-secretário municipal de Transporte, Carlos Osório. Pezão contou que Pegou o BRT no terminal Alvorada na Barra e também visitou a estação de integração em Vicente de Carvalho. "A gente vê agora o quanto é importante a integração da ligação com o metrô", disse, ao anunciar que hoje chegaram mais quatro trens novos. Segundo ele, até o fim do ano são 150.

Ele também se mostrou feliz com o apoio do senador eleito do PSB, Romário. "O Romário foi muito importante. É um amigo antigo que entrou na campanha...ele trouxe propostas que ajudam meu governo. É o que tenho pedido. Eu passei o primeiro turno pedindo isso...Fico muito feliz de receber o apoio do PDT que ficou na informalidade no primeiro turno que veio agora com seus deputados estaduais e federais. To chegando ao final da campanha faltando duas semanas com 21 partidos.", afirmou Pezão.

Você pode gostar