Por nicolas.satriano
Publicado 27/10/2014 00:23 | Atualizado 27/10/2014 00:25

Rio - Minutos antes do final da apuração das urnas, a massa de 500 pessoas que festejava em frente aos Arcos da Lapa já cantava a vitória da presidenta Dilma Housseff. Cada estado que concluía a contagem dos votos com vantagem para a candidata reeleita era celebrado como se fosse o r esultado final da disputa: uma explosão de gritos, danças, e abraços. Nem a forte chuva que caía à noite e ensopava as bandeiras fez esmorecer o otimismo e a expectativa dos que estavam presentes.

Quando o telão que exibia a apuração confirmou a vitória da presidenta, por volta das 20h30, casais jovens e idosos se beijaram, as famílias se abraçaram aos grupos, e até os ambulantes e catadores de lata gritavam o nome da presidenta, emocionados. Mas mesmo antes de consagrada a nova vitória do partido, havia aqueles que já tinham certeza quanto ao futuro líder do executivo.

Centenas de pessoas comemoram%2C na Lapa%2C resultado do pleitoUanderson Fernandes / Agência O Dia

“Eu estou pré-sentindo a vitória, não sei explicar! Pelo que a gente vê na rua, as pessoas com os adesivos, a Dilma vai massacrar!”, apostava a advogada Carolina Cunha, de 25 anos. Daniela Jesus, 28, que a acompanhava, deu o seu palpite. “Não é possível que o Aécio ganhe. Quem já viu o PSDB governar, não vota 45”, afirmou, fechando questão.

O ator paulista Tadeu Amaral já não tinha toda essa certeza. Eleitor da ex-candidata do PSOL, Luciana Genro, no primeiro turno, ele conta que o que o fez abraçar a militância no segundo turno foi justamente o fato de que não parecia haver certezas de que o candidato do PSDB, Aécio Neves, não seria eleito presidente.

“Eu e uns 15 amigos do meio artístico de São Paulo ficamos assustados com a possibilidade de o Aécio ganhar. No segundo turno, todos nós, sem exceção, pegamos adesivos e bandeiras para distribuir, e hoje temos motivos pra festejar”, comemorou.

Do carro de som, o jingle de Dilma era intercalado com gritos de “Quem não pula é tucano”, levantando a multidão. O jingle que virou um hino da militância petista, “Lula lá”, também foi tocado repetidas vezes, e arrancou lágrimas dos olhos de dezenas de eleitores, logo após a divulgação do resultado das eleições.

Um grupo de amigas, todas entusiastas do programa de governo do PT, se disseram aliviadas. “Eu estava muito tensa até o último segundo. Nessa eleição, passamos por uma verdadeira batalha contra a campanha de desinformação da oposição. Em compensação, quando vi que a Dilma tinha ganhado, explodi de emoção. Estou muito feliz!”, festejou a designer gráfica Diana Cordeiro, de 35 anos.

A atriz Dâmaris Grüm, de 34 anos, diz que foi uma vitória “suada”. “Fomos ganhando os colegas um a um, informando sobre as políticas do governo, e desfazendo toda os boatos sobre o PT, mas valeu a pena!”.

Reportagem de Luiza Gomes

Você pode gostar