Por thiago.antunes
Publicado 06/11/2014 00:56 | Atualizado 06/11/2014 09:52

Rio - Um vídeo de 25 segundos, publicado no dia 8 de julho de 2012 na internet, mostra o deputado federal Anthony Garotinho (PR) de beca, sorrindo para câmera, em meio a uma dúzia de pessoas. Após o fim da contagem do locutor que não aparece na imagem, Garotinho, bem como seus colegas, joga a beca para o alto, reproduzindo uma cena comum em formaturas Brasil afora.

O registro da cerimônia, que, segundo ele diz, ocorreu na Assembleia de Deus de Realengo, é uma das provas que pretende apresentar contra o que considera “maldade” do corregedor do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ). Ele desconfia que o deputado tenha apresentado diploma falso de graduação em Teologia, conforme informou a coluna ‘Justiça e Cidadania’, do DIA.

Foto de formatura tendo à frente Garotinho e Rosinha (destaques) foi postada no blog do deputado junto com o diploma de TeologiaReprodução

“Para que vou inventar isso. Não preciso de faculdade de Teologia para ser pastor nem para ser professor da escola dominical, como sou há anos”, defendeu-se Garotinho. “É maldade, uma tentativa de jogar lama nas pessoas.” O diploma de Teologia de uma faculdade em Roraima, a 5,2 mil quilômetros de Campos, no Rio, chamou a atenção da Justiça Eleitoral, que decidiu investigar a autenticidade do certificado.

Em decisão publicada na segunda-feira, no Diário Oficial do Judiciário, o TRE-RJ determina que a Faculdade de Ciências, Educação e Teologia do Norte do Brasil (Faceten) apresente até hoje documentos que comprovem sua autenticidade. Do contrário, está autorizado, a partir de amanhã, até o uso de força policial para busca e apreensão na instituição.

Garotinho responde na Justiça Eleitoral ação por abuso de poder econômico, denunciado pelo Ministério Público Eleitoral, que quer sua inelegibilidade e sua cassação por uso eleitoral das ‘Caravanas da Paz’, definidas como “showmício” pelo Ministério Público.

Garotinho nega — leia abaixo o que o deputado diz. Ontem, a reportagem também tentou contato ao longo do dia com a Faceten. Ninguém, entretanto, atendeu no número de telefone disponibilizado no site da instituição.

A decisão do TRE-RJ, assinada pelo corregedor Alexandre Mesquita, levanta dúvidas sobre a participação do Garotinho no curso, porque — como diz o documento — a distância do local da faculdade e os locais onde Garotinho desempenha suas atribuições de deputado federal, em Brasília, e de comunicador diário na Rádio Manchete, no Rio, impossibilitariam-no de se deslocar diariamente para Roraima.

Segundo o MEC e a própria instituição, não é oferecido aos alunos curso à distância e “tampouco cursos presenciais fora da sede”. O parlamentar, porém, diz que nunca esteve na sede da Faceten, pois estudou na Assembleia de Deus de Realengo, parceira da instituição de ensino.

O corregedor lembra no despacho que há “diversas outras faculdades tanto no Rio como em Brasília” e considera “séria suspeita não ser verdadeira a afirmação de que (ele) tenha de fato feito o curso”. O argumento serviu para que determinasse que a Faceten apresente cópia de 18 documentos, entre os quais matrícula, histórico escolar, decreto de reconhecimento do MEC, disciplinas cursadas, carga horária e data de conclusão e expedição do diploma.

Monografia de fim de curso

Além do vídeo, o deputado Anthony Garotinho vai entregar à Justiça Eleitoral a monografia que apresentou para a conclusão do curso de Teologia da Faceten. Ele também garante ter um amigo como testemunha de sua frequência regular nas aulas da faculdade na Assembleia de Deus de Realengo.

“Não escolhi uma faculdade em Roraima — aliás, acho que nunca estive lá. Escolhi aqui do Rio, em Realengo, para ser exato”, afirmou. Ainda de acordo com Garotinho, existe uma parceria entre a Faceten e a Assembleia de Deus de Realengo. “Fiz inicialmente o curso à distância e, no último ano (2012), estive aos domingos em sala de aula.”

Perguntado sobre a própria faculdade alertar, em seu site, para o fato de não se responsabilizar por cursos oferecidos fora da sede, em Roraima, o parlamentar respondeu: “Então, eu fui vítima.” Garotinho, no entanto, diz não acreditar em má-fé dos organizadores do curso e garantiu que seu diploma é reconhecido pelo Ministério da Educação. O MEC não lista, porém, a Faceten como instituição de ensino à distância.

Garotinho afirmou também que as ‘Caravanas da Paz’ são realizadas há anos, sem interesse eleitoral. “Já fui questionado outras vezes e inocentado.” Ele criticou a suspeita da corregedoria do TRE-RJ de que tenha apresentando diploma falso à Justiça Eleitoral.

Você pode gostar