Por fabio.klotz
Rio - O Tijuca conseguiu se manter no Novo Basquete Brasil após vencer o Macaé e o Fluminense no triangular de acesso à competição. A sensação de dever cumprido tirou um peso das costas do elenco, revela o armador Fred.
Fred foi decisivo para o Tijuca no triangular de acessoDivulgação

"Todo mundo se sentiu bem, todos os jogadores. Foi um alívio. Vencemos dois times que estavam em atividade (o Tijuca ficou um mês e meio à espera da competição). Seria muito mais difícil se nós não tivéssemos qualidade e experiência", diz Fred.

Após se classificar para os playoffs no NBB 4, o Tijuca sofreu nesta temporada, ficou em 17º lugar (foram seis vitórias em 34 jogos) e se viu obrigado a disputar o triangular de acesso. O armador tenta explicar por que o time vacilou durante a competição.

"É difícil falar o que aconteceu. Tudo influencia no time. Uma coisa que pesou foi começar um pouco tarde, não formar a equipe cedo, pois demorou a fechar patrocínio. Ficou um tempo curto. Alguns jogadores chegaram no meio do campeonato. É difícil pegar entrosamento", analisa o camisa 9.

Campeão do NBB 1 pelo Flamengo, Fred viveu uma situação diferente na carreira e pela primeira vez brigou na parte debaixo da tabela, algo que o fez amadurecer.

Armador avisa que pretende ficar no TijucaDivulgação

"Foi diferente, mas são coisas que acontecem na carreira do jogador. Serve para tirar como lição. Foi válido como experiência para minha carreira como jogador e como pessoa. O grupo era bom, estava jogando aqui no Rio. A experiência foi válida, e o triangular serviu para coroar. Eu me senti bem. Foi algo que fez valer a pena a temporada", acredita Fred, que já pensa no futuro e deseja permanecer no Tijuca:

Publicidade
"Já tive sondagens, mas nada de concreto ainda. A minha intenção é ficar. Estou em casa. O Tijuca é um bom clube. Você tem de ficar um pouco mais no lugar. Gosto de tentar dar sequência e levar ao máximo cada experiência. Dá para fazer mais pelo Tijuca."
CAMINHO DAS PEDRAS PARA O FLA
Publicidade
Fred está de olho na semifinal entre Flamengo e São José e inclusive esteve na HSBC Arena, no domingo, e acompanhou o jogo 3. O armador dá a receita para o ex-clube vencer o rival paulista, nesta quinta-feira, em São Paulo, e avançar para a final.
"Lá é muito difícil de jogar. A torcida enche o ginásio, e o time pega o embalo. O time de São José joga bem solto. O fator torcida precisa ser controlado. O Fla tem de dominar o jogo. É controlar a partida para não sentir esta força da torcida, diminuir o volume de jogo e ter paciência", aponta o caminho.
Publicidade
O armador está dividido e não escolhe um lado para torcer no jogo de quinta.
"Eu tenho amigo nos dois times. Eu torço para um bom jogo, que os meus amigos joguem bem e que vença o melhor", encerra Fred.