Por fabio.klotz

Goiás - A torcida não conseguiu entrar no Estádio da Serrinha, mas, mesmo de longe, alguns privilegiados puderam acompanhar, de dentro de casa, a primeira atividade da seleção brasileira em Goiânia. Torcedor do Fluminense, o empresário Marco Antônio Marques, de 44 anos, deixou de ir ao escritório pela manhã para ver, da sacada do seu apartamento, um pouco da movimentação dos tricolores Fred, Jean e Diego Cavalieri. Ao seu lado, estava o filho Felipe, de 10 anos, também devidamente uniformizado com a camisa tricolor. Na varanda, uma bandeira do clube carioca chamava a atenção.

Marco Antônio Marques e Felipe não precisaram sair de casa para ver o treinoAndré Luiz Mello / Agência O Dia

“Aqui dá para ver tudo direitinho. O Fred é o melhor. Se tirarmos os gols dele, o time do Felipão não marca. O Neymar não marcou, o Hulk também não marcou”, comentou Marco Antônio, lembrando que o camisa 9 tricolor fez o primeiro gol no empate em 2 a 2 com a Inglaterra, no domingo, no Maracanã. O segundo foi do volante Paulinho.

Morando praticamente em frente ao Estádio da Serrinha, o empresário aproveitou para filmar um pouco da atividade da sacada do apartamento.

“Muita gente queria vir assistir ao treino aqui em casa, mas muitos também não sabiam que seria apenas uma atividade na Serrinha”, lamentou Marco Antônio, referindo-se ao fato de que a programação da Seleção prevê apenas um treinamento no local, que passou por reformas recentemente, no valor de R$ 4 milhões. Os demais treinos estão programados para o CT do Goiás.

CRIATIVIDADE E IMPROVISO

Quem não tem o privilégio de morar perto do estádio teve que usar a criatividade para tentar ver um pouquinho mais da Seleção em sua passagem por Goiânia. Foi o caso do atendente de call center Fábio Pereira, de 29 anos, que subiu num caminhão estacionado perto a um dos muros do local para espiar um pouco da atividade comandada por Felipão.

Apesar da visão na arquibancada improvisada não ser das melhores, ele aproveitou o fato de só começar a trabalhar às 14h e se esticou para ver além do muro do estádio.

“Deus mandou esse caminhão”, brincou Fábio, vestido com a camisa do Grêmio.

Você pode gostar