Conselhos de pai valem ouro para Neymar

Artilheiro lembra que sempre foi orientado a chutar bem com a perna esquerda e a direita

Por O Dia

Rio - O chute de pé esquerdo de Neymar, que resultou no segundo gol brasileiro na final contra os espanhóis, foi fruto dos conselhos do pai. Na final da Copa das Confederações, o camisa 10 balançou a rede pela quarta vez no torneio e saiu do Maracanã com o prêmio de melhor jogador da partida e com a Bola de Ouro.

Neymar comanda baile sobre a Espanha e faz a festa no MaracanãAndré Mourão / Agência O Dia

“Eu sempre treinei muito, muito mesmo, chutar tanto com a perna esquerda quanto com a direita. Aliás, meu pai sempre me disse, desde quando eu era pequeno: ‘Você não tem que escolher perna para chutar. Se cair na esquerda, chuta de esquerda; se cair na direita, bate de direita’. Acho que isso eu aprendi (risos). Aquela bola caiu na esquerda e, felizmente, eu fui feliz em acertar o chute forte”, disse Neymar ao site oficial da Fifa.

O craque ainda contou que seus futuros companheiros de Barcelona, adversários na final da Copa das Confederações, o parabenizaram.

“Ouvi parabéns. Fiquei feliz demais porque são jogadores que admiro e respeito e que terei a honra e a felicidade de jogar ao lado”, afirmou Neymar.

O craque, no entanto, rechaçou a hipótese de que, agora, os espanhóis teriam ainda mais respeito por ele.

“Acho que me respeitam da mesma forma que todo mundo se respeita dentro de grandes times”, comentou.

Pressionado antes da estreia na Copa das Confederações por estar há nove jogos sem marcar e por não conseguir repetir as atuações do Santos na Seleção, Neymar afirmou que não estava chateado com a cobrança.

“Olha, eu não estava preocupado com isso, com jogar para pararem de falar mal de mim. Não. Eu queria era ajudar meus companheiros do melhor jeito que fosse possível: cometendo uma falta, dando um passe, marcando um gol. Naquele dia, ajudei marcando um gol com três minutos de jogo, um gol que sei que foi importante para a equipe. No fim, é isso que importa: ajudar a ganhar”, explicou, referindo-se ao gol marcado na estreia, contra o Japão.