Por rafael.arantes

Minas Gerais - O Atlético-MG viverá nesta quarta o momento mais importante de seus 105 anos de história, ao enfrentar o Olimpia, pela segunda partida da final da Libertadores. Precisando reverter a derrota (2 a0) sofrida no jogo em Assunção, o time dirigido pelo técnico Cuca conta com o apoio de sua fanática torcida, que lotará o Mineirão (todos os ingressos foram vendidos) e o talento de seu camisa 10 para fazer a festa. Para isso, precisa vencer por dois gols de diferença para levar o jogo para os pênaltis. Caso obtenha vantagem maior, será campeão nos 90 minutos.

Ronaldinho é a aposta do Galo contra o OlimpiaDivulgação

“Estou muito feliz em poder participar de mais uma final. São esses momentos que marcam a carreira de um jogador. Ganhei bastante coisa, mas a Libertadores ainda não. E isso me motiva mais, também pela história do clube, que não tem esse título. Entrar para a história como um dos primeiros a conquistar à América deixa o jogo ainda mais importante”, disse Ronaldinho, que, entre outras conquistas, já ganhou Copa do Mundo e Liga dos Campeões, mas quer mais um título para a sua coleção.

DESFALQUES NAS LATERAIS
Autor de quatro gols na atual edição da Libertadores, o camisa 10 é um dos maiores nomes do Atlético-MG, que sentiu sua má atuação no jogo de ida, em que foi substituído aos 19 minutos do segundo tempo. Outro ícone do atual elenco do Galo, Bernard voltará ao time titular, depois de ter ficado fora do duelo em Assunção, devido a uma suspensão.

O Galo,porém, não terá os suspensos Marcos Rocha e Richarlyson. Júnior César atuará na lateral esquerda, enquanto Michel, Rosinei e Luan lutam por uma vaga na direita. Já na cabeça de área, Josué deverá seguir no time titular, pois Leandro Donizete ainda não se recuperou de lesão muscular sofrida na coxa direita. O volante titular durante quase toda a campanha corre contra o tempo para conseguir ser relacionado para ficar no banco.

Você pode gostar