Por pedro.logato

Equador - O capitão da seleção de futebol do Equador, Walter Ayoví, expressou nesta sexta-feira seu desejo de dar ao jogador equatoriano Cristian Benítez, morto no Catar, a "alegria" de classificar a equipe para a Copa do Mundo no Brasil.

Jogador tinha apenas 27 anos e era um dos destaques da seleção equatoriana Reuters

O Equador esta na zona de classificação, no terceiro lugar das eliminatórias sul-americanas para a Copa de 2014, com 21 pontos, dois a menos que a Colômbia, que está em segundo e a cinco do primeiro, a Argentina, e com partidas a serem disputadas contra Colômbia, Bolívia, Uruguai e Chile.

"Isso (a classificação) era um desejo dele e de toda sua família", diz Ayoví em carta de condolências pela morte de "Chucho Benítez" publicada na página da Federação Equatoriana de Futebol (FEF). Na carta, o líder da equipe equatoriana e integrante do Pachuca do México se soma à dor da família de Benítez, a quem descreve como "irmão amigo, e pai que partiu para estar ao lado de nosso senhor".

"Não é um adeus, é um até em breve, amigo fiel", acrescenta o companheiro do jogador. Ayoví assinala que Benítez "tinha tantos anos de plena atividade pela frente" e considera que o país "perde um grande jogador", e "do outro lado do oceano nós perdemos um leal e confiável amigo", diz.

O corpo de 'Chucho' Benítez deve chegar a Quito na madrugada desta sexta-feira procedente do Catar e após fazer escala em Lisboa. O sepultamento está previsto para as 11h de sexta-feira em um cemitério da capital equatoriana e contará com a presença do presidente do país, Rafael Correa, segundo comunicou ele mesmo em sua conta no Twitter.

Correa acrescentou que a embaixada equatoriana no Catar confirmou que a causa da morte do atleta foi uma falha cardiorrespiratória. A Federação Equatoriana de Futebol (FEF) e o Ministério do Esporte do Equador organizaram um velório no coliseu Rumiñahui, de Quito, para que os torcedores possam dar o último adeus ao artilheiro da seleção.

Você pode gostar