Por pedro.logato

São Paulo - A vigésima edição da Superliga foi lançada com uma bela festa em São Paulo, mas nos corredores, os jogadores só comentava sobre a nova regra da competição, onde os sets passam a ter 21 pontos. A regra foi testada no Campeonato Paulista e agradou aos dirigentes, mas quem está em quadra não gostou:

Gustavo não aprovou muito modificaçãoReprodução Internet

“Sinceramente ainda não testei, mas falei com quem já jogou e acho que não era o momento para ser testada. Não numa Superliga, um dos três mais torneios mais importantes do mundo. Não sou a favor, mas temos que nos adaptar e acostumar”, afirmou Bruninho, levantador do RJX e capitão da seleção brasileira.

O meio de rede Gustavo prefere esperar para saber em quadra como vai ser, mas lembrou de algumas mudanças que não deram certo.

“Foi quase uma imposição da TV pelo estouro da grade que, na visão deles, não pode acontecer. Temos que acatar e depois ver o que é. Quando mudou de 15 para 25 pontos era o fim do mundo. Teve uma Superliga por tempo. Foi um desastre total”, explicou o jogador do Canoas.

Campeã do Grand Prix com a seleção feminina, Thaísa, do Molico Nestlé, não mediu as palavras para reclamar:

“Desde que comecei são 25 pontos. Vai ser bem estranho. Acho que pensaram na televisão e esqueceram dos atletas. Não posso dizer que gostei, mas vou ter que me adaptar. Eles não perguntam para os atletas para tomar a decisão. Não gosto nem de falar o que acho. Eles não perguntam antes e agora, que virou regra. querem saber?”, detonou.

O técnico da seleção feminina José Roberto Guimarães, defende as cores do Vôlei Amil e pediu tempo para analisar as mudanças

“Ainda não sei. Não tive a chance de jogar com a nova regra. Acho que é uma questão de adaptação. Vamos jogar, perguntar para quem está lá dentro e ver o que é melhor”.

No masculino, Sesi é apontado como favorito

Murilo, Lucarelli, Lucão e Sidão. Um elenco com esses quatro jogadores começa a Superliga masculina como favorito. Se no papel o Sesi é um time dos sonhos, dentro de quadra ainda busca o entrosamento.

“Somos um dos favoritos. Mas vôlei é em quadra. Não adianta ser favorito fora de quadra, tem que jogar”, afirmou Murilo, que listou os vários problemas da equipe neste início de competição:

“Não vou participar do início (ainda se recupera de lesão), Lucarelli vai para a seleção sub-23. Tem parada para a Copa do Mundo. Até agora não tivemos um treino com a equipe completa”.

Bruninho, do RJX, também acha que o Sesi vem forte nesse ano: “Não acho que somos favoritos. Outras equipes fizeram investimento maior. O Sesi levou o Lucão, que foi muito bem no RJX, e o Lucarelli. Mas quando você conquista um título as

Você pode gostar