Por rafael.arantes

Rio - Em uma partida fraca, o Flu, que pareceu jogar pelo empate, acabou levando um gol de pênalti no finzinho e caiu para a zona de rebaixamento. No Maracanã, em clima de jogo decisivo, a torcida do Vasco prestigiou e foi fundamental para a reação. As lesões de Juninho e Reginaldo obrigaram Adilson Batista a fazer duas substituições prematuras e, pior, o time levou dois gols inesperados. Tudo parecia perdido, mas uma falha de Edu Dracena recolocou o Vasco no jogo, com o gol de Edmílson.

Fluminense e Corinthians fizeram jogo feio em São Paulo e Tricolor foi para o Z-4Divulgação

Ao mesmo tempo, o Flu sofria na Fonte Luminosa e Vanderlei também perdia cedo um jogador, Diguinho, ressuscitando Valencia, ausente há meses. Na etapa final, o Santos até poderia ter liquidado o jogo nos contra-ataques, mas o Vasco conseguiu um empate na base do entusiasmo. Mesmo assim, ainda continua em situação muito perigosa na tabela. Em Araraquara, a derrota acabou sendo um castigo para o Flu, que não procurou a vitória e está na degola.

VIA CRÚCIS

O Botafogo continuou em Caxias do Sul sua deprimente caminhada na direção ao buraco em que se meteu no campeonato no segundo turno. Repetindo o fiasco contra o Goiás, de nada adiantou uma semana de folga porque a atuação foi bisonha, desarvorada e tecnicamente pobre. Os principais jogadores como Seedorf não funcionam mais, Rafael Marques erra as conclusões e até Bolívar falha. E, quando as soluções no segundo tempo são Bruno Mendes e Renato, é porque a coisa não tem mais jeito.

BATEU O PONTO

O Flamengo fez uma partida burocrática sábado e o empate acabou sendo justo. Sem a intensidade nem todos os titulares em campo, não se podia esperar tanto do Flamengo — o Botafogo é que não soube aproveitar dois pontos roubados do Goiás. O time não fez um bom jogo, mas também não mostrou displicência e os goianos não repetiram as suas melhores atuações, talvez pela ressaca da eliminação na Copa do Brasil, talvez pela ausência de Walter, seu jogador de referência.

QUASE, QUASE

O Cruzeiro fez bem seu dever de casa com uma atuação segura, consistente e poderia vencer até por diferença maior. O Grêmio foi envolvido e, nas raras chances que conseguiu, o goleiro Fábio garantiu. Só não foi campeão porque o Atlético-PR, mesmo em duas competições paralelas, sapecou uma goleada no São Paulo. Mas, se derrotar o Vitória na quarta-feira, o título estará assegurado. E até se perder, caso o vice-líder não vença. O título é só uma questão de dias. Um grande campeão.

BOMBANDO

Definitivamente, a Série C, por algumas características especiais, como a presença de clubes de massa do Nordeste e jogos-chave na fase de mata-mata, tem apresentado partidas de muita emoção e total participação das torcidas nos estádios. No sábado, a torcida lotou o Castelão para apoiar o Sampaio Correia em jogo sempre interessante e extremamente disputado. Os 20 minutos finais foram eletrizantes, com três gols em poucos minutos. A vitória sobre o Vila Nova garantiu vaga na final.

Você pode gostar