Por fabio.klotz
São Paulo - A Odebrecht concedeu uma coletiva de imprensa após o acidente no Itaquerão que resultou na morte de dois operários que estavam trabalhando na construção do estádio Itaquerão nesta quarta-feira. Frederico Barbosa, gerente operacional da empreiteira, e Andrés Sánchez, ex-presidente do Corinthians, falaram sobre o caso e afirmaram apoio total à família das vítimas.
Tragédia vitimou duas pessoas na Arena CorinthiansMarcelo Camargo / ABR

O ex-dirigente do clube afirmou que todos os esforços serão feitos para entender a razão do ocorrido e que a estrutura do estádio não foi prejudicada, descartanto as dúvidas quanto a se o Itaquerão não seria mais usado na Copa.

"As autoridades ainda vão investigar o que aconteceu nos próximos dias e dar a resposta sobre as causas do acidente. Não foi um problema estrutural, mas sim uma peça que desabou. Era a última peça, a mesma que colocamos há uma semana sem problemas. Houve danos em parte do prédio, mas nada que afete o cronograma", disse Frederico Barbosa.
Publicidade
Ao longo de toda a entrevista, empresa e clube declararam solidariedade total às vítimas, Fabio Luis Pereira, de 42 anos, e Ronaldo Oliveira dos Santos, de 44 anos.
“O que menos me preocupa aqui agora é cronograma ou prazo. Estou preocupado em dar satisfação para vocês para que vocês possam passar isso para as pessoas, e dar assistência às famílias das vítimas. Apesar de todos os cuidados, infelizmente as fatalidades existem. Queria que vocês entendessem a dor que a gente tá sentindo. Todos aqui estão abatidos. Vamos dar toda a assistência para as famílias e fazer tudo o que pudermos fazer", afirmou Sanchez, que continuou: “O que a gente sempre lutou aqui não foi por prazo, mas sim pela segurança de todos os trabalhadores."
Publicidade
Sobre a retomada da obra do estádio, Sanchez afirmou que os trabalhadores terão alguns dias de luto até que seja estudada uma nova agenda para a obra.
"A obra no momento está parada, todos os funcionários foram dispensados e vamos ficar parados por no mínimo dois ou três dias. Depois vamos estudar o que fazer", concluiu ele, abatido.