Por rafael.arantes

Rio - Muitos juristas se apressam a dizer que seguir rigorosamente a legislação esportiva não é virar a mesa e o regulamento é para ser seguido por todos. Visto assim de prima, não há como discordar. Só que a lei não foi criada por Deus, mas por simples mortais e requer revisão constante. Quando ela serve para promover injustiça, ajudar poderosos e apenas punir os pequenos, como atualmente na área criminal, nesse caso, não serve para nada.

Fluminense está rebaixado para a Série B, mas pode se livrarAndré Mourão / Agência O Dia

Pode-se, então, dizer que, mesmo seguindo-se a lei, promove-se uma virada de mesa sem escrúpulos, porque, no futebol, tudo deveria ser feito para respeitar o resultado de campo. Do jeito que está, há a possibilidade de variadas armações para que um time perca os pontos sem entregar o jogo nos lances corridos. Os clubes mais poderosos e os tribunais esportivos praticamente controlam a rotina processual, isso sem lembrar o quanto os árbitros são mais condescendentes com os grandes. Uma legislação obscura com punições na sexta à noite só favorece a mutreta.

ALEGRIA CONTIDA

O Botafogo de Bolívar faz bem em não comemorar com muita ênfase a confirmação de sua participação na Libertadores.Primeiro,porque o jogo de estreia no mata-mata pode ser muito perigoso e, depois, porque se não vierem reforços significativos, o time não terá nada a fazer na competição. Será preciso toda uma estratégia especial porque a Libertadores exige não apenas técnica, mas muita garra e um jeito especial para encarar mata-mata, com uma concentração absurda.

FALTOU TRADIÇÃO

A Ponte Preta pode ter uma certa tradição pelo tempo de existência - mais de 100 anos - e até por manter uma torcida pequena mas entusiasmada que se fez presente em Buenos Aires. Mas, dentro de campo, o time ressentiu-se de maior confiança e personalidade para encarar um jogo internacional decisivo. A falta de títulos em retrospecto pesou e foi até triste sentir a frustração de quem acreditava. O time manteve boa postura defensiva, mas faltou ataque.

APELAÇÃO INÚTIL

A questão do jogo do Vasco com o Atlético-PR teria potencial para durar um bom tempo com idas e vindas na Justiça mas, como já se viu no despacho do presidente do STJD, Flávio Zveiter, dificilmente será mudado o resultado de campo, o que já é um avanço. Esse recurso vascaíno, que pedia suspensão ou até anulação do jogo, só servia para dar força a quem gostou da confusão, procurando obter resultados que o time não conseguiu em campo.

ESPANTO NAS TELAS

‘Azul é a cor mais quente’, com a bela Léa Seydoux , é sem dúvida um marco na história da linguagem do cinema e é o primeiro ‘escândalo’ nas telas do século 21. Pode não ser nenhuma obra prima mas consegue representar o sexo como símbolo do amor total, da integração entre dois seres humanos. É preciso tempo e sensibilidade para o espectador se integrar a fundo na alma do filme, mas vale a pena. Há quem veja apenas pornografia ou se escandalize, mas essa é uma visão menor.

Você pode gostar