Por ulisses.valentim

Estados Unidos - Bem humorado, sem pesos nas costas e lutando por seu sonho. Este é o retrato de Anderson Silva antes da luta do próximo sábado com Chris Weidman no UFC 168, em Las Vegas. Arrancando risos da plateia ao imitar Ronaldo e Luiz Felipe Scolari em algumas de suas respostas, o brasileiro evitou provocações contra o norte-americano, mas deixou no ar que sabe que vai vencer ao falar que a pressão vai voltar “em alguns dias”.

A afirmação veio depois que Spider foi questionado se estava se sentindo melhor por não ter em suas costas o peso de ser o dono do cinturão. Derrotado por Weidman em julho por nocaute, ele fará a revanche pelo cinturão dos pesos médios do UFC.

“Acho que, quando se é um lutador do UFC, sempre tem pressão na tua vida. Graças a Deus eu cheguei em um estágio que consegui feitos que foram gratificantes pra mim e trouxeram todo esse peso. Mas eu estou feliz, estou contente por não ter todo esse peso. Mas vai voltar tudo de novo em alguns dias”, disse Silva, arrancando aplausos e gritos de torcedores brasileiros.

Anderson Silva tenta retomar o cinturão dos pesos médios do UFC neste sábado em Las VegasDivulgação

Este foi o único momento da entrevista em que Anderson foi mais agressivo com as palavras contra Weidman. Em todas as outras ocasiões, foi cauteloso e preferiu piadas. Perguntado sobre a possibilidade de disputar os Jogos Olímpicos lutando tae kwon do, o lutador imitou o ex-jogador e seu amigo Ronaldo.

“Vou responder igual ao Ronaldo. ‘Claro que vou voltar a jogar, estou muito feliz e queria dizer, pô, que vou voltar a jogar’”, falou sobre a chance de virar atleta olímpico. “Eu queria muito fazer isso, mas teria que nascer de novo pra poder fazer. Não tenho tempo hábil e acho que mamãe não quer, papai não gosta”, completou, um pouco mais sério.

As risadas foram ouvidas também quando a questão foi sobre uma possível aposentadoria de Spider do UFC depois da luta com Weidman, independentemente do resultado. O homenageado desta fez foi o técnico da seleção brasileira de futebol.

“Agora vou responder igual ao Felipão: ‘Claro que tem, porra, que pergunta!’”, afirmou o lutador brincando, para depois completar sério: “Eu tenho oito lutas no meu contrato e, enquanto eu tiver vontade de fazer o que eu faço, vou lutar. Se vou aposentar ou não, não tem como dizer agora, só o coração pode dizer”, explicou.

Na sua última oportunidade de arrumar uma polêmica, ao ser perguntado se era mais importante recuperar o cinturão ou apenas derrotar o lutador que interrompeu sua série invicta no UFC, Anderson foi político.

"O mais importante é eu estar no UFC lutando pelos meus sonhos. O resto é consequência", falou o brasileiro.

Você pode gostar