Líder do Bom Senso, Paulo André critica CBF e não descarta greve

Jogador do Corinthians espera que mudanças no futebol brasileiro comecem

Por O Dia

São Paulo - Aos poucos os jogadores vão voltando das férias e, com eles, o Bom Senso se rearticula para bater de frente com a Confederação Brasileira de Futebol. Principal líder do movimento, o zagueiro Paulo André, do Corinthians, manteve o tom contra a lentidão da CBF em cumprir o pedido dos atletas e voltou a ameaçar com greve.

Paulo André criticou a CBFDivulgação

“É mais do que possível uma greve, não tem nada descartado. Para mim, é a única medida viável, mas o Bom Senso, como o próprio nome diz, vai tentar o diálogo e outras ações para que os responsáveis pelo futebol possam tomar uma atitude. Lamentamos o desprezo e a falta de atenção ao futebol brasileiro, que está jogado às traças e ninguém faz nada”, desabafou o zagueiro.

Entre os principais pedidos do Bom Senso estão a revisão do calendário para que clubes menores joguem durante todo o ano, a diminuição do número de partidas e o fair play financeiro para evitar que os atletas fiquem sem receber seus salários. Mas, até o momento, o máximo que o movimento conseguiu foi a promessa de diminuição das datas somente em 2015.

Outro ponto delicado foi o rebaixamento da Portuguesa nos tribunais. Paulo André voltou a atacar a CBF por considerá-la culpada pela confusão por ter permitido um jogador irregular entrar em campo:

“A desorganização do campeonato é tão grande que acarretou em um problema ridículo. No campeonato de escola, o mesário não deixa jogar quem está proibido. A CBF tem o delegado da partida e nada acontece. Se a punição é correta, não sei. Deveria punir? Talvez. Mas é fruto da desorganização.”

Últimas de Esporte