Zico lamenta tapetão no Brasileiro

Técnico critica modelo arcaico do futebol no país

Por O Dia

Catar - Zico está no Catar, a 11.975 quilômetros do Brasil, mas, apaixonado por futebol e pelo país em que nasceu, não ficou indiferente à polêmica que envolve o Campeonato Brasileiro de 2013 - cuja decisão dos rebaixados para a Série B saiu do campo para o tapetão e, ao que parece, ainda está muito longe de uma definição.

Zico torce por evolução do Catar até a Copa de 2022Divulgação

O Galinho critica o modelo arcaico do Brasil sobre a publicação da punição a jogadores e diz que o regulamento no Catar é melhor do que o do país que vai receber a Copa de 2014, em junho. O eterno camisa 10 do Flamengo fala também sobre o Mundial deste ano e o de 2022, que terá como sede o Catar, onde atualmente é treinador do Al Gharafa, um dos principais clubes de futebol da Ásia.

O DIA: Como você vê a confusão sobre os clubes rebaixados do Campeonato Brasileiro no tapetão?

Zico: É uma pena isso acontecer no Brasileiro. Acho que regulamento é para ser sempre cumprido, seja na primeira ou na última rodada. O problema é que nos regulamentos, muitas vezes, são deixadas brechas que permitem essas decisões em tribunais.

E logo no país que é pentacampeão mundial e que vai receber a Copa...

Pois é. Eu dou o exemplo daqui. Dois dias depois do jogo já está no meu e-mail a lista vinda da federação com meus jogadores suspensos por cartão vermelho ou amarelo. Então, eu já começo minha semana sabendo quem posso ou não escalar.

O que achou da punição ao Flamengo?

É outro caso ainda mais curioso. Aqui, no Catar, temos três competições e, se o jogador recebe vermelho em uma delas, tem de cumprir a suspensão na mesma competição. Se a expulsão foi no último jogo, a punição é aplicada na competição do ano seguinte, mesmo que o jogador tenha se transferido para outra equipe. O André Santos ser expulso na Copa do Brasil e punido no Campeonato Brasileiro é complicado.

Por falar em Flamengo, como você avalia a gestão do presidente Eduardo Bandeira de Mello e de seus diretores?

Estão restituindo a credibilidade do Flamengo como clube. Torço bastante para que dê certo, pois são pessoas que querem o bem do Flamengo e não usufruir do Flamengo.

Ser presidente do Flamengo ainda faz parte dos seus planos?

Isso nunca fez parte da minha vida.

O Carnaval está chegando e você será homenageado pela Imperatriz Leopoldinense. Como está o coração? Ansioso?

Estou tranquilo, mas, no momento, não dá para pensar nisso, pois estou em pleno Campeonato Catari e agora o trabalho vem na frente da diversão.

Está feliz, mesmo longe da família e do Rio?

Está tudo bem e a felicidade só não é completa realmente pela distância da minha família, o que é o mais difícil. Mas a vida aqui é tranquila até demais. É de casa para o treino e de volta para casa... Quando a Sandra está aqui, ainda vamos a um shopping e, à noite, a um restaurante.

Como avalia o nível do futebol no Catar?

Bem abaixo para quem daqui a alguns anos vai organizar uma Copa do Mundo. Espero que eles se classifiquem para 2018 (na Rússia) para ganharem alguma experiência e não decepcionarem em casa em 2022.

Acha que o Catar realmente tem condições de sediar a Copa do Mundo de 2022?

Claro que tem. Em termos de infraestrutura tem tudo para ser uma das melhores Copas da história. O problema é o período de disputa da competição, já que o calor realmente é insuportável e um grande obstáculo para a prática do futebol, pois a temperatura é muito alta.

Um facilitador seria o dinheiro de sobra no país, o que permitiria a construção de estádios climatizados para aliviar o calor?

Não sei se tem dinheiro de sobra, mas o que estão preparando... O gasto para se fazer um Mundial no Catar será absurdo, com certeza.

E em relação ao Mundial de 2014, o que espera da competição no Brasil?

Que o Brasil seja hexacampeão, mas que brilhe tanto dentro quanto fora de campo. Que saiba valorizar suas belezas naturais e que quem for assistir à Copa não o faça só por causa do futebol.

A pressão de jogar em casa, com a cobrança da torcida, pode atrapalhar os jogadores da seleção brasileira em campo?

Não vai atrapalhar. Ter a torcida a favor só ajuda e quem vai para a seleção brasileira sabe muito bem o tipo de cobrança que deverá sofrer. Todas as grandes seleções do mundo, quando jogaram em casa, venceram. Com o Brasil, não pode ser diferente. Agora é o lema do Francisco Horta (ex-presidente do Fluminense): vencer ou vencer.

E o fantasma do Maracanazo de 1950? Existe uma maneira melhor de lidar com isso em 2014?

Quem vai estar jogando com a Amarelinha não era nem nascido naquela época e não terá nenhum fantasma para se preocupar.

Últimas de Esporte