Por rafael.arantes

Rio - Esquiar é um esporte e hobby traiçoeiro. A prática é uma das atrações em lugares com temperaturas mais baixas, em uma mistura de lazer e adrenalina. O perigo faz parte da atividade. Um deslize pode resultar em problema. Recentemente, dois casos de acidentes provocaram verdadeiros dramas no mundo do esporte. O ex-piloto alemão Michael Schumacher e a brasileira Lais Souza foram traídos pela neve.

Esportes de neve provocam mistura entre adrenalina e risco para seus praticantes%3B Recentemente%2C Schumacher e Lais foram 'castigados'Arte%3A O Dia Online

A manhã do dia 29 de dezembro de 2013 era mais um momento de diversão para Michael Schumacher em Méribel, na França, mas um acidente fez com que o ex-piloto da Fórmula 1 batesse com a cabeça numa rocha e ficasse em estado grave. Após 30 dias em coma, os médicos começaram a retirar os sedativos de Schumacher. Ainda convivendo com o drama do ex-piloto, o Brasil se deparou com mais um momento de trauma.

A ex-ginasta brasileira Lais Souza também se acidentou. A atleta esperava a confirmação de uma vaga para a Olimpíada de Inverno na categoria esqui aéreo e colidiu com uma árvore em um treino em Salt Lake City, nos Estados Unidos, tendo um severo trauma na coluna cervical. Lais foi submetida a uma cirurgia na coluna e a duas operações complementares e está internada, sem conseguir se locomover e ainda com risco de morte.

Uma das representantes do Brasil na Olimpíada de Inverno, a atleta do snowboard Isabel Clark não escondeu o choque com os acidentes envolvendo Schumacher e Lais. Triste com o acontecido com o ex-piloto, Isabel tem de conviver com o drama da amiga. As atletas se conhecem há cerca de oito anos e o espírito guerreiro de Lais é um dos pontos fortes para sua recuperação.

"Fiquei muito triste pelo caso do Schumacher e o da Lais me deixou muito chocada. Eu a conheci pessoalmente no Prêmio Brasil Olímpico de 2006 e agora ela estava treinando para os Jogos de Inverno. Vejo como um exemplo de determinação e superação o que ela já tinha conseguido atingir no esqui aéreo em tão pouco tempo. Tomara que ela consiga se recuperar logo", disse Isabel, que se mostrou surpresa com os dois acidentes num espaço tão curto de tempo: "Acontecem acidentes graves, mas não é comum assim".

Isabel Clark admite choque com acidente de Lais SouzaDivulgação

Experiente, a atleta de 38 anos garante que os riscos encontrados nos esportes de neve não são fantasmas na rotina dos praticantes. Segundo ela, o bom condicionamento físico e a preparação mental são os fatos mais determinantes em prol do sucesso das atividades.

"Aprendemos a ir de menos a mais, gradualmente, a conhecer nossos limites e medos e conseguir superá-los aos poucos. Usamos muito a mentalização antes de fazer algo arriscado. A parte física é fundamental, tanto para a prática em si em alto nível, como para prevenir lesões ou acidentes. Na minha modalidade tem muito impacto e quedas, o corpo precisa estar preparado para tudo isso", comentou Isabel, que chegou a ser eliminada do Mundial de 2013 após uma queda na prova. Mesmo sem gravidade, a atleta não conseguiu recuperar a colocação.

Considerado um dos melhores esquiadores brasileiros da atualidade, Jhonatan Longhi também acredita na necessidade de uma boa preparação física como diferencial para encarar os riscos e desafios da neve. Atualmente morando na Itália, o brasileiro de 25 anos acredita em sua total concentração para deixar para trás o rótulo da juventude e garantir o sucesso em suas atividades na neve.

"Minha preparação também é mais física do que técnica. Busco estar sempre trabalhando com exercícios que me proporcionam uma força e resistência física maior. A velocidade e a respiração é fundamental no meu ponto de vista. Costumo manter algumas atividades como bicicleta e stretching para me manter num bom condicionamento", contou.

Jhonatan Longhi vai representar o Brasil nos Jogos de Inverno de SochiDivulgação

Também representante do Brasil nos Jogos de Sochi, Jhonatan vai encarar os desafios da modalidade na qual Schumacher e Lais acabaram se acidentando. O esqui alpino é uma das modalidades mais intensas quando os assuntos são velocidade, manobras e risco. No entanto, o atleta determina uma meta diária de treinos para se manter pronto para qualquer tipo de dificuldade.

"Costumo focar no objetivo de realizar 2.000 curvas por dia. Se eu consigo manter este nível me garanto com um ótimo treino, já que cada manobra nos obriga a buscar um alto nível de execução. Se formos falar do lado físico neste lado, podemos citar mais ou menos 15 kg de força centrífuga a cada bateria. Isso me faz estar consciente e tranquilo para evitar qualquer tipo de problema", disse.

Sem deixar que os receios passem por cima de seus objetivos, Jhonatan afirma que o psicológico também é primordial para que as modalidades de neve sejam realizadas sem a interferência dos fatores "medo" e "risco".

"Ninguém pode controlar o fator que chamamos de destino. É claro que existe o risco, mas é no inconsciente de cada modalidade que deixamos para trás essas questões de esportes perigosos ou não", analisou.

Esportes de neve misturam risco e adrenalinaDivulgação


Você pode gostar