Barcelona coça o bolso para evitar problemas no 'Caso Neymar'

Clube paga R$ 43,4 milhões à receita para tentar fugir de multa por ‘divergência interpretativa’

Por O Dia

Espanha - Mesmo deixando claro, em nota oficial, que não assumiu qualquer delito fiscal, a direção do Barcelona pagou ontem R$ 43,4 milhões à receita espanhola referentes à contratação de Neymar. O gesto foi uma espécie de correção de valores pela sua aquisição ao Santos e uma tentativa de evitar pesada multa no futuro, prevenindo, ainda, possíveis interpretações que a Justiça tenha sobre os contratos com o jogador.

O valor corresponde a 24,75% dos R$ 125,4 milhões que o Barcelona pagou para as sociedades vinculadas ao jogador para fechar sua contratação — e que a promotoria espanhola entende que faz parte do salário de Neymar, e portanto considerado rendimento de trabalho.

Polêmica envolvendo Neymar ainda não teve fim em BarcelonaReuters

“Em vista da existência de uma possível divergência interpretativa quanto às obrigações fiscais derivadas da contratação, para saldar possível dívida tributária derivada desta operação e defender o nome e a boa reputação do clube, o Barcelona apresentou a correspondente autoliquidação complementar. O objetivo é cobrir eventuais interpretações que possam dar aos contratos assinados pela contratação de Neymar, embora estejamos convencidos da licitude do inicial cumprimento das obrigações fiscais”, declarou o clube.

Na semana passada, o juiz da Audiência Nacional Pablo Ruz acusou o Barça, como pessoa jurídica, por fraude fiscal na aquisição de Neymar. Ruz concluiu que ele tinha no momento da contratação a condição fiscal de “não residente e a obrigação de tributação corresponderia ao Barcelona, o que corresponderia ao valor 24,75% do total”.

Com a reparação, o Barcelona poderá reduzir em até 62% o importe da multa, e pagará R$ 16,5 milhões se for condenado, já que, na Espanha, <MC0>a multa por fraude tributária é menor.

SUSPEITAS PAIRAM SOBRE O CLUBE

Apesar da atitude da diretoria, o Barcelona não se livrou da suspeita de divergência entre o valor declarado e o valor real da transferência de Neymar — o que levou o ex-presidente, Sandro Rosell, a renunciar ao cargo, agora ocupado pelo ex-vice, Josep Maria Bartomeu, até 2016.

O Ministério Público crê que cerca de R$ 30,1 milhões foram fraudados na negociação com o Santos, tirando como base o total de R$ 125,4 milhões pagos pelo jogador (adiantamento de R$ 33,1 milhões em 2011 e o restante, R$ 92,3 milhões, ano passado).

Últimas de Esporte