Contra-ataque: Uma decisão de apenas 15 minutos

Decisão do Carioca contou com uma final de tirar o fôlego

Por O Dia

Rio - Foi um clássico modorrento, amarrado e sem a menor graça durante 75 minutos. Mas, a partir do momento em que Erazo fez um pênalti desnecessário e Douglas marcou o que parecia ser o gol do título vascaíno, o jogo se modificou, tornando-se emocionante a cada minuto. O Vasco cometeu o grave defeito de abdicar do ataque e sequer tocar a bola para ganhar tempo.

Entregou de mão beijada ao Flamengo todo o espaço para ataques contínuos e sofreu mais ameaça do que tinha sofrido durante o jogo inteiro. O que estava pressentido acabou acontecendo em um escanteio e em sobra de bola que veio do travessão para Márcio Araújo empatar de forma dramática. Valeu o título que acabou sendo mais comemorado e heroico do que se saísse em um 0 a 0 e fez esquecer um pouco a tristeza pela eliminação na Libertadores.

Flamengo conquistou o 33º título carioca em sua históriaCarlos Moraes / Agência O Dia

O gol foi em impedimento, mas de difícil marcação e o Vasco deve se lamentar pela sua incapacidade de segurar o resultado e se acovardar na hora final. O resultado foi um castigo para a falta de personalidade do Vasco e o Flamengo acabou merecendo pela reação no fim e porque fez, disparadamente, a melhor campanha no campeonato.

JUSTA REVOLTA

Sem violência, apenas com muita indignação, a torcida do Botafogo protestou contra a atual situação do futebol tanto no Galeão quanto em General Severiano. Todos sabem das atuais dificuldades financeiras e até reconhecem que Maurício Assumpção merece crédito. Mas esse ano a coisa extrapolou e erros grosseiros foram cometidos. Se não é possível arrumar um grande time, ao menos que se mostre bom senso, profissionalismo e um esforço concentrado.

LADEIRA ABAIXO

E o Barcelona, hein? O buraco parece não ter mais fim. Eliminado pelo Atlético de Madrid na Liga dos Campeões, agora colocou-se em situação delicada no Campeonato Espanhol com inesperada derrota para o Granada. Curioso é que caiu em semelhante armadilha, só que desta vez para um time muito mais modesto. O Granada se defendeu bem, ameaçou em contra-ataques e venceu. Messi continua opaco e sem vontade. Será uma fase ou uma tendência que exige completa reformulação?

A VERGONHA

O pessoal do COI tem até demonstrado paciência com o atraso nas obras para a Olimpíada. O que continua causando muito constrangimento é a falta de mínimas providências para pelo menos sanear parcialmente a Baía de Guanabara, já que a limpeza total é uma utopia. Os japoneses, há muitos anos, fizeram um investimento, tinham planos, mas o dinheiro sumiu por aqui em algum propinoduto. Passar pela bela Baía de Guanabara hoje é uma vergonha para todos os cariocas.

GRANDE JOGO

A Superliga feminina de vôlei continua produzindo fortes emoções e a partida entre Rio de Fofão e Campinas foi uma montanha russa. O Rio começou mal, sem garra, perdeu fácil o primeiro set, mas depois fez 2 a 1 com tranquilidade, sugerindo vitória fácil. Mas aí também facilitou no final do quarto set e a boa organização do Campinas prevaleceu. O tie-break foi sensacional, o Rio chegou a fazer 14 a 10 mas Campinas, bravamente, empatou. O Rio ganhou no limite por 16 a 14.

A ZEBRA ITUANO DESFILOU NO PACAEMBU

Quem diria, contrariando todas as expectativas, o Ituano voltou a fazer um grande jogo na finalíssima, encarou o Santos de frente, conseguiu ir aos pênaltis e mostrou dois trunfos decisivos: calma nas cobranças, sem complexo de pequeno e qualidade nos chutes, o que confirmou o time bem treinado por Doriva. Título surpreendente, indiscutível, e méritos para o trabalho de Juninho Paulista.

Últimas de Esporte